ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Concerto dos Resistência no Bataclan foi ‘uma homenagem importante’
Revista PORT.COM • 31-Jan-2017
Concerto dos Resistência no Bataclan foi ‘uma homenagem importante’



A sala de espetáculos Bataclan, em Paris, encheu-se no domingo para ouvir o grupo Resistência, com o cantor Miguel Ângelo a afirmar

A mãe de uma das vítimas do ataque ao Bataclan, em 2015, assistiu no domingo ao concerto dos Resistência, em Paris, que foi "uma homenagem importante", tendo ido à sala de espetáculos, pela filha, "por ela".

"Tenho coragem para vir, porque venho aqui recolher-me pela minha filha e pelo namorado dela", disse Patrícia Correia, mãe de Precilia, que assistiu ao concerto a partir da bancada superior.

"É importante para mim. É importante saber que pronunciámos o seu nome, porque foi aqui que ela perdeu a vida. Esta homenagem é fazer viver a sua memória e não hesitei em vir. Estarei sempre onde falarem dela", afirmou, emocionada.

Segundo a agência Lusa, a homenagem deixou muitos, no público, emocionados, como Cristina Fernandes que disse que o espetáculo "superou as expectativas" e que decidiu vir ao Bataclan, mesmo grávida, para mostrar que se está vivo e "há que ter esperança".

José Constantino, de 39 anos, veio de Versalhes, nos arredores de Paris, para ver os Resistência, e disse não ter medo, porque "as probabilidades são mínimas de voltar a acontecer [um ataque]" e que não se deve "ter medo de sair e ouvir boa música portuguesa".

De bandeira colocada em forma de cachecol, António Ferreira foi ao Bataclan, pela primeira vez, para "rever o passado", porque conhece "a maior parte dos músicos, são músicos da infância, desde os Xutos, a Delfins, a Madredeus", mas hesitou em assistir ao concerto, "por causa do que se passou cá".

Mário Martins, de 45 anos, faz parte da "primeira geração da Cap Magellan" e já tinha visto o grupo em 1994, em Paris, num concerto organizado pela associação, tendo decidido "voltar a ver este grupo mítico em França", porque "é uma coisa mágica".

"E depois também há um lado muito emotivo em relação à sala. Não podemos esquecer aquilo que houve aqui durante os atentados de Paris. A vida continua, mas também é muito simbólico isto", indicou o árbitro de futebol da segunda liga francesa.

Também José Meixedo, de 45 anos, já tinha assistido ao concerto dos Resistência na sala Zénith, em 1994, e quis voltar a ouvi-los, considerando que se trata de uma forma de "enfrentar este tipo de fatalidade" e "uma maneira de resistir a essas formas de pensar que são obscuras", porque "os portugueses e os lusodescendentes são uns combatentes".

Na primeira parte do espetáculo, subiram ao palco a cantora franco-angolana Lúcia de Carvalho e o lusodescendente Dani Selva, dois vencedores do Prémio Cap Magellan de melhor revelação artística 2016.

A sala Bataclan, localizada no centro da capital francesa, foi alvo dos atentados da noite de 13 de novembro de 2015, que causaram 130 mortos. O assalto armado à sala de espetáculos causou a morte de 90 pessoas.

 

Fotos ©Philippe Martins

 


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
DISCURSO DIRETO
A emigração portuguesa para a Holanda
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ