ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Diretor artístico da maior companhia circense do Mundo é português
Revista PORT.COM • 13-Jun-2017
Diretor artístico da maior companhia circense do Mundo é português



Hugo Soares Martins foi piloto da TAP, mas trocou a profissão pela dança. Dançou 13 anos, mas também deixou. Agora vai ser o diretor artístico do espetáculo "Toruk", do Cirque du Soleil.

Em criança começou por fazer ginástica no Ginásio Clube Português, em Lisboa, onde chegou a ser atleta de alta competição e que abandonou. Uma casa "a quem deve imenso" do que aprendeu até hoje, sublinha.

Quando acabou a carreira de alta competição, sensivelmente há 20 anos, Hugo Soares Martins foi atrás de um sonho de criança e enveredou por uma profissão que nada tem a ver com o que faz atualmente: Tirou o curso de piloto e aos 24 anos acabou por entrar na TAP onde esteve dois anos como comissário de bordo e mais três ou quatro anos como piloto de médio curso.

"Nessa altura da minha vida acho que escolhi uma vertente mais segura, mais garantida, financeiramente mais garantida", observa.

"Porque a sociedade, às vezes, também nos pede esse tipo de escolhas", refere.

Foi esse então o caminho que escolheu e onde permaneceu até que voltou a "olhar para outro sonho de criança que era a dança e tudo o que tinha a ver com palcos, com espetáculos".

"Ganhava bem, mas se tivesse ficado como piloto de aviação nesta altura já tinha gasto o dinheiro todo dos ordenados em psiquiatras ou psicólogos", diz ao mesmo tempo que deixa sair uma gargalhada sonora.

Por isso, abandonou o que podia ter sido uma carreira de piloto e "mergulhou" na dança. Fez audições para a Escola Superior de Dança, entrou e começou a dançar.

"Nem sei bem como consegui entrar para a Escola, mas acredito que o meu passado como ginasta tivesse ajudado de alguma forma, nomeadamente em termos físicos, se bem que ginástica e dança são coisas em diferentes", indica.

Começou o curso, mas não acabou, porque em simultâneo fez audições com o bailarino Benvindo Fonseca com quem acabaria por colaborar e com quem viria a fundar, pouco tempo depois, uma companhia, juntamente com a bailarina Paula Careto.

Na Lisboa Ballet Contemporâneo esteve até 2008, altura em que a companhia se extinguiu. Depois, esteve numa outra plataforma designada Lisboa Metropolitan Arts e assim foi dançando até chegar à beira dos 40 anos.

No entanto, há perto de um ano surgiu-lhe uma oportunidade única e rumou a Pequim onde esteve como diretor artístico do circo Cavalia, uma companhia canadiana semelhante ao Cirque du Soleil.

Há relativamente pouco tempo soube que o Cirque du Soleil precisava de um diretor artístico para o espetáculo "Toruk", que se estreou há cerca de um ano e enviou-lhes o currículo. Em maio foi contratado.

No passado fim de semana tinha viagem marcada para voltar a voar, não como piloto, mas como passageiro rumo ao Canadá para receber instruções do Cirque du Soleil. A seu cargo terá 46 pessoas e uma equipa de sete que dirigirá.

Uma semana depois voltará aos céus, desta vez rumo a Manila onde "Toruk" iniciará a digressão pela Ásia.

"Toruk" é um dos 27 espetáculos que o Cirque du Soleil tem em digressão simultânea pelo mundo.

E se de momento está de corpo e alma no Cirque du Soleil - porque só assim sabe estar num trabalho, sustenta - também não deixa de acreditar que um dia ainda voltará aos palcos. Para dançar.

"Apesar de já estar com 41 anos, o bichinho de pisar o palco não morreu", observa.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
As vivências da emigração portuguesa nos palcos do teatro
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ