ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Saramago e Jorge Amado unidos para a Festa Literária de Paraty, no Brasil
Revista PORT.COM • 27-Jul-2017
Saramago e Jorge Amado unidos para a Festa Literária de Paraty, no Brasil



A FLIP decorre até domingo e na programação principal estão incluídos nomes como os do ativista angolano Luaty Beirão e de Marlon James e Paul Beatty, dois vencedores do Man Booker Prize.

A parceria entre a Fundação José Saramago e a Fundação Casa Jorge Amado tem programa próprio na Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), incluindo a publicação de um livro de cartas entre os dois autores.

Entre as iniciativas planeadas para a Casa Amado e Saramago, entre hoje e sábado, estão conversas, concertos, leituras de poesia, e uma exposição de fotografia sobre os dois escritores, bem como a publicação do livro com as cartas trocadas por Jorge Amado e José Saramago.

A programação da Casa Amado e Saramago abre hoje, com um "café português", na inauguração da exposição de fotografias de José Saramago e Jorge Amado e da mostra de xilogravuras de J. Borges, para o conto "O Lagarto", de Sérgio Machado Letria.

De seguida, a antropóloga Lilia Schwarcz, Paloma Amado, filha do escritor Jorge Amado, e Pilar del Río, presidente da fundação José Saramago, juntam-se para uma conversa sobre os universos literários e afetivos dos dois escritores.

À tarde, o tema é a liberdade. Andrea Zamorano e José Eduardo Agualusa falam dos seus mais recentes livros.

"A Casa das Rosas", primeiro trabalho de Andrea Zamorano, conta a história de uma relação doentia entre pai e filha, na cidade de São Paulo, na década de 1980.

O angolano José Eduardo Agualusa, recém-distinguido com o Prémio Internacional Dublin de Literatura, vai falar de "A sociedade dos sonhadores involuntários", parábola política sobre a situação do país de origem, que segue um diverso conjunto de personagens numa nação sob um regime totalitário em decadência.

O escritor português José Luís Peixoto tem uma conferência sobre o 'seu' Alentejo literário, assim como o das obras de Saramago, Vergílio Ferreira, Fernando Namora, Manuel da Fonseca e Almeida Faria.

A encerrar o primeiro dia está o debate "O que quer o que pode essa língua?", que incide sobre as dificuldades em publicar em português do outro lado do Atlântico, e conta com a participação de Bárbara Bulhosa, da Tinta-da-China, do editor, escritor e jornalista Francisco José Viegas, responsável da Quetzal, e as editoras Maria Cristina Antonio Jerónimo e Julia Bussius.

Amanhã, está planeada uma conversa da jornalista e fotógrafa Adelaide Ivanova e da escritora Djaimilia Pereira de Almeida sobre literatura e feminismo, na parte da manhã.

À tarde, a jornalista Anabela Mota Ribeiro entrevista o escritor e tradutor português Frederico Lourenço, que traduziu recentemente a Bíblia do grego.

José Luís Peixoto regressa à Casa Amado e Saramago para falar sobre o processo de construção do seu romance "Em teu Ventre", sobre o fenómeno de Fátima, num encontro com Julia Bussius.

O livro "Com o mar por meio. Uma amizade em cartas -- Jorge Amado e José Saramago", que revela a correspondência entre os dois autores, é apresentado ao final do dia por Paloma Amado, Pilar del Río e o editor e escritor brasileiro Luiz Schwarcz.

O programa de sexta-feira encerra com um concerto da cantora Lívia Nestrovski e do guitarrista Fred Ferreira, inspirado nas obras de Amado e Saramago.

O último dia da Casa Amado e Saramago, sábado, começa com um debate entre o antropólogo Luiz Eduardo Soares e o jurista e ex-ministro português da Cultura José António Pinto Ribeiro, sobre o papel dos direitos na sociedade atual, moderado por Pilar del Río.

O lançamento do catálogo "Intelectuais Negras Visíveis" conta com as académicas Amanda Sanches, Giovana Xavier e Núbia Santos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Janete Santos Ribeiro, do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, com apresentação da ativista Djamila Ribeiro.

As professoras universitárias brasileiras Ana Kiffer e Giovana Xavier e a jornalista portuguesa Joana Gorjão Henriques, autora do livro "Racismo em português", participam numa conversa sobre racismo moderada pela jornalista Anabela Mota Ribeiro.

Ana Martins Marques e Eduardo Jorge lançam o livro de poemas "Como se fosse a casa", seguindo-se uma sessão de leitura de poesia com vários autores.

A programação da casa Amado e Saramago encerra com o músico e compositor brasileiro Marcello Magdaleno e o escritor angolano Ondjaki, num evento com música e poesia de Angola, Portugal e Brasil, e "um copo de vinho português".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ