ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Mariza em destaque na imprensa cabo-verdiana
Revista PORT.COM • 13-Ago-2017
Mariza em destaque na imprensa cabo-verdiana



A atuação da fadista Mariza, na sexta-feira à noite no festival da Baía das Gatas, na ilha de São Vicente, foi ontem destaque na imprensa cabo-verdiana, que realçou sobretudo o "dueto improvisado" da portuguesa com o cabo-verdiano Tito Paris.

O MindelInsite, baseado na ilha de São Vicente, escreve que a fadista portuguesa teve a responsabilidade de abrir o desfile de vozes no palco do Baía das Gatas e mostrou porque é considerada "uma estrela internacional de música".

"Quem estava à espera de uma atuação baseada no fado foi apanhado de surpresa. Na verdade, Mariza mostrou a sua versatilidade ao interpretar vários géneros, incluindo músicas de artistas cabo-verdianos", lê-se naquele diário digital.

A publicação refere ainda que a cantora portuguesa fez um "duo improvisado" com o "pequeno grande" Tito Paris, que subiu ao palco "para dar um abraço musical caloroso à amiga".

"Vi uma artista meio portuguesa, meio cabo-verdiana, que nos levou a cantar em coro. Ela mostrou uma capacidade de empatia com o público fora de série", avaliou uma jovem cabo-verdiana ao MindelInsite.

O portal Sapo.CV é mais específico, dizendo que Mariza e Tito Paris cantaram juntos a música "Beijo de Saudade".

"Para mim o Tito Paris é o representante masculino da música cabo-verdiana", disse Mariza, mostrando a sua admiração pelo músico cabo-verdiano, escreve o portal, que publica uma foto e um vídeo do dueto luso-cabo-verdiano.

A mesma página na Internet escreve que a Baía das Gatas rendeu-se à "voz poderosa" de Mariza, considerando que a fadista portuguesa "foi a grande surpresa da noite".

"Cantou em crioulo, dançou e dividiu o palco com o músico Tito Paris", recordou o portal, considerando que a abertura do festival "não poderia ter corrido da melhor forma", destacando também a interação de Mariza com o público.

Recordando que Mariza começou a atuar ainda com pouca gente no areal da Baía das Gatas, o Sapo.CV notou, porém, que a medida que a atuação decorria, o público foi-se juntando à frente do palco e que o fado "foi muito bem recebido pelos presentes".

A agência cabo-verdiana de Notícias Inforpress escreve que a fadista portuguesa proporcionou "a melhor abertura de sempre" do festival mais antigo e mais emblemático de Cabo Verde, nesta que foi a sua primeira atuação no evento musical com 33 anos de existência.

"Afinal, foi apenas uma questão de Mariza soltar os primeiros acordes com a sua potente voz para pôr em sentido a Baía das Gatas naquela que, diz o povo, terá sido a melhor abertura de sempre das 33 edições", sustenta o texto da agência.

A agência escreve que quando o público se junto em frente ao palco "participou do princípio ao fim dos 70 minutos do espetáculo, cantou, bateu palmas, pediu bis e, no fim, Mariza foi "obrigada" a regressar ao palco" para cantar mais uma música.

O jornal A Nação lembrou que o fado da portuguesa abriu esta edição do certame musical, ainda que com 50 minutos de atraso.

"A fadista, com o carisma que lhe é característico, trouxe temas como 'Melhor de mim', 'Kretxeu' e não só. Juntamente com Tito Paris, Mariza interpretou 'Beijo de saudade'. A sua atuação foi encerrada com a composição 'Lua nha testemunha'", escreve o jornal na sua página na Internet.

Na primeira noite do festival da Baía das Gatas, realizado na praia com o mesmo nome, a oito quilómetros da cidade do Mindelo, atuaram ainda um grupo de artistas cabo-verdianos, o angolano Badoxa e a brasileira Joelma.

O festival continua hoje à noite, com Anselmo Ralph (Angola), Dudu Nobre (Brasil), Anísio e Constantino, Djodje (Cabo Verde) e Alborosie (Itália).

O evento termina no domingo com Élida Almeida e Ferro Gaita (Cabo Verde), Os Calema (São Tomé e Príncipe) e Naldo Benny, cantor, dançarino e compositor brasileiro.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ