ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Vida de Camilo Pessanha em exposição do Instituto Português do Oriente em Macau
Revista PORT.COM • 31-Ago-2017
Vida de Camilo Pessanha em exposição do Instituto Português do Oriente em Macau



A vida de Camilo Pessanha vai estar em destaque numa exposição promovida pelo Instituto Português do Oriente (IPOR) em Macau, quando se comemoram os 150 anos do nascimento do poeta.

Entre sexta-feira e 7 de setembro, dia em que Pessanha nasceu, 19 peças organizadas em oito núcleos temáticos "vão ilustrar e documentar diferentes vertentes da vida e obra do poeta", nascido em 1867, de acordo com um comunicado do IPOR.

Ao poeta, que viveu entre 1894 e 1926 em Macau, onde morreu, "cabe a parte central, evidenciando a sua obra e as suas referências literárias e ilustrando as edições (portuguesas e traduções) que a mesma tem merecido", indicou.

'Camilo Pessanha - Um Poeta ao Longe' aborda ainda a família, juventude, início da vida profissional, destacando a presença em Macau, onde foi professor, jurista e cidadão.

O último núcleo da exposição liga Pessanha "à arte e à cultura chinesa e aos amigos do poeta", afirmou.

A exposição vai ser reposta no Café Oriente, no IPOR, no dia 14, acompanhando a exibição de cinco curtas-metragens, realizadas por formandos dos cursos de Português da instituição.

Na mesma data, 40 postais alusivos a Pessanha, também concebidos por formandos do IPOR, serão enviados para estudantes que estão a aprender Português em instituições de ensino superior em Pequim, destacando citações da obra do poeta e promovendo Macau como cidade de cultura.

De 1 a 7 de setembro, os 150 anos do nascimento do poeta vão ser assinalados, no edifício do antigo tribunal, por várias exposições de artes plásticas e de fotografia, conferências, inauguração de arte pública e lançamento vários livros, numa iniciativa organizada pelo jornal Hoje Macau.

Considerado o expoente máximo do simbolismo em língua portuguesa, Camilo Pessanha nasceu em Coimbra a 7 de setembro de 1867 e morreu em Macau a 1 de março de 1926.

A exposição promovida pelo IPOR conta com a coordenação geral de Ana Paula Laborinho, Pedro Barreiros e Serafina Martins e produção do Camões-Instituto da Cooperação e da Língua e da Associação Wenceslau de Moraes.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ