ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Três filmes portugueses no Festival de Cinema de Londres
Revista PORT.COM • 02-Set-2017
Três filmes portugueses no Festival de Cinema de Londres



‘Os Humores Artificiais', de Gabriel Abrantes, foi selecionado para a competição de curtas-metragens, sendo a obra de 29 minutos de duração descrita no programa como um "conto de fadas pós-moderno no cruzamento entre a antropologia e a inteligência artificial".

Na categoria Experimenta do festival foi incluído 'Spell Reel', a primeira longa-metragem da cineasta portuguesa Filipa César, que foi exibida no Museu de Arte Contemporânea de Nova Iorque (MoMA) em junho e que se estreou no Festival Internacional de Cinema de Berlim.

Para a categoria Dare, que junta filmes irreverentes, foi selecionado 'A Fábrica de Nada', de Pedro Pinho, que se estreia nas salas de cinema portuguesas a 21 de setembro.

'Os Humores Artificiais', filmado no estado brasileiro do Mato Grosso, em Canarana e nas aldeias Yawalapiti e Kamayura dentro do Parque Indígena do Xingu, e em São Paulo, conta a história de uma jovem indígena do Amazonas que se apaixona que por um robô que é também um comediante.

O filme foi distinguido em fevereiro no Festival de Berlim ao receber a nomeação do júri internacional para o prémio de melhor curta-metragem europeia de 2017 nos European Film Awards, que serão entregues a 9 de dezembro na mesma cidade alemã pela Academia Europeia de Cinema.

Por seu lado, 'Spell Reel' usa imagens de arquivo da guerra da independência da Guiné-Bissau, para explorar como estes registos influenciam a criação e legado da história de um país.

Filipa César recorre a cinema revolucionário, do acervo do Instituto Nacional de Cinema e Audiovisual da Guiné-Bissau (INCA), cuja recuperação foi possibilitada pelo instituto alemão Arsenal.

Fazem parte do arquivo o trabalho dos cineastas Sana Na N'Hada, Flora Gomes, José Bolama Cobumba e Josefina Crato, que estudaram cinema em Cuba, por iniciativa do líder da independência da Guiné-Bissau, Amílcar Cabral, e filmaram a guerra da independência e os primeiros anos de governação socialista.

Segundo o sumário do programa do Festival de Londres, esta longa-metragem "é uma reflexão poderosa sobre o papel do cinema na criação e legado da história política e identidade nacional da África Ocidental".

Já 'A Fábrica de Nada', com três horas de duração, é interpretado por atores e não atores e segue a vida de um grupo de operários que tentam segurar os postos de trabalho, através de uma solução de autogestão coletiva, e evitar, assim, o encerramento de uma fábrica.

O crítico britânico Jonathan Romney considera, no resumo incluído no programa, que o filme é "vibrante, criativo e intenso" e que "transporta de forma forma divertida a tradição do cinema 'agitprop' para o século XXI".

Vencedor em maio no Festival de Cannes do Prémio Fipresci, da Federação Internacional de Críticos de Cinema, a que se seguiu o prémio CineVision, em junho, em Munique, para melhor novo filme, a longa-metragem está também entre os 51 pré-selecionados de 31 países para os prémios da Academia Europeia de Cinema.

Pedro Pinho assina a realização, mas o filme de ficção foi construído em conjunto com Luísa Homem, Leonor Noivo e Tiago Hespanha, a partir de uma ideia de Jorge Silva Melo e da peça de teatro 'A fábrica de nada', de Judith Herzberg.

Ao todo, serão exibidos no Festival de Cinema de Londres 243 filmes de 67 países.

'Breathe', a longa-metragem que assinala a estreia como realizador do ator Andy Serkis, conhecido pela participação na trilogia de 'Os Senhores dos Anéis' abre o evento.

Entre os filmes em destaque estão também 'Battle of the Sexes', corealizado por Jonathan Dayton e Valerie Faris e protagonizado por Emma Stone e Steve Carell, 'The Shape of Water', de Guillermo del Toro, 'Downsizing', de Alexander Payne, e 'The Killing of a Sacred Deer', de Yorgos Lanthimos.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
ENTREVISTA
Luís Faro Ramos, Presidente do Camões I.P.
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ