ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

'Mundos flutuantes' de artistas portugueses na Bienal de Lyon
Revista PORT.COM • 10-Set-2017
'Mundos flutuantes' de artistas portugueses na Bienal de Lyon



Bandeiras transparentes, paredes carimbadas com 'Forever Immigrant' e um piano a tocar um poema são algumas das obras de Marco Godinho e Davide Balula escolhidas para a Bienal de Lyon, em França, sob o tema 'Mundos Flutuantes'.

A 14.ª edição do evento, que se realiza de 20 de setembro a 07 de janeiro, conta com artistas de 23 países e questiona o conceito do "moderno" na arte, a partir do tema 'Mondes Flottants' ('Mundos Flutuantes').

O tema atraiu, de imediato, Marco Godinho que, no ano passado, já tinha feito uma exposição no Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Nice intitulada 'Mundos Nómadas', tendo agora escolhido três obras que convidam à "deambulação porque não se pode apreender só com o olhar".

"O mundo flutuante é um mundo incerto que se gere no presente. Com estas obras, a minha leitura tem a ver com a ideia de uma certa poesia no nosso quotidiano, tem a ver com os poemas de Mallarmé e uma forma um pouco mais aberta de fazer arte e realizar experiências que não se limitem à ideia do observador, que vai para um espaço confinado simplesmente observar", explicou Marco Godinho.

Na primeira obra, 'Forever Immigrant', um carimbo circular da frase em inglês vai preencher a fachada do edifício de exposições, La Sucrière, e propagar-se ao interior, fazendo eco não apenas do exílio e "tudo o que acontece no Mediterrâneo" mas também da própria "ideia de incerteza", ligada ao seu percurso de emigrante.

'Sem Título (Bandeiras Transparentes)' é uma "obra em evolução", inicialmente inspirada nas estrelas da União Europeia, em que "as bandeiras em vez de terem símbolos são completamente transparentes" e, sendo expostas no exterior, "pouco a pouco vão começar a rasgar e evoluir no tempo".

Em 'Written By Water', vão ser expostos cadernos que o artista recolheu ao longo de viagens por países mediterrânicos e que meteu na água, "para que a água pudesse escrever a sua própria poesia e história", uma obra que vai estar acompanhada pela projeção de um vídeo.

Marco Godinho, nascido em 1978 em Salvaterra de Magos, e residente entre Paris e o Luxemburgo, participou, no ano passado, na feira de arte contemporânea Art Central de Hong Kong e expôs no Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Nice, tendo apresentado o seu trabalho, em 2015, no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, em Lisboa.

Davide Balula, que nasceu em 1978 na aldeia de Vila Dum Santo, no concelho de Viseu, e reside entre Paris e Nova Iorque, escolheu para a Bienal de Lyon duas obras inéditas: uma peça sonora em que "um piano vai tocar um poema" e uma peça luminosa que realiza um "movimento abstrato de 'laser' nas paredes".

"É difícil descrever com palavras porque é simplesmente fazer a experiência da obra no espaço. Recorrendo a uma espécie de narração abstrata, eu diria que as duas obras tocam a questão da perceção", explicou o artista à Lusa, sublinhando a importância do espaço e do tempo no seu trabalho, assim como o papel do espetador que "constata a sua própria presença quando observa uma obra".

Os trabalhos apresentados dialogam, assim, com o tema da bienal, com David Balula a interpretar os 'Mundos Flutuantes' como "a impossibilidade de alcançar as coisas", ilustrando a sua ideia com uma peça de Marcel Broodthaers, "muito importante" para si e exposta na sala ao lado da sua.

"O autor tenta escrever uma carta debaixo da chuva. Escreve com tinta e chove na folha e a tinta não se agarra. Esta ideia de continuar a escrever e ter a tinta a escorrer faz parte da peça", descreveu o artista que costuma explorar elementos naturais como a água e a terra, por exemplo, em 'River Paintings' e 'Buried Paintings', e também o fogo, como em 'Speaking in Flames (The Voice of the Firebreather)', uma performance em que a voz é substituída por chamas.

No ano passado, Balula apresentou a performance 'Mimed Sculptures', na Art Basel Unlimited, em Basileia, na Suíça, e 'Speaking in Flames (The voice of the Fire Breather)', na Ecole Nationale Supérieure des Beaux-Arts de Paris, uma performance que também levou, em 2014, ao Palais de Tokyo, em Paris, e ao MoMA PS1, em Nova Iorque.

Para a Bienal de Lyon, também foi convidado o artista mexicano Hector Zamora, que vive e trabalha em Portugal, os brasileiros Cildo Meireles e Ernesto Neto, residentes no Rio de Janeiro, e o realizador tailandês Apichatpong Weerasethakul, vencedor da Palma de Ouro de Cannes, em 2010, com o filme 'O Tio Boome Que Se Lembra das Suas Vidas Passadas', e que em 2016 esteve em Portugal, para acompanhar o ciclo que lhe dedicou o Cinema Ideal, em Lisboa, e apresentar a sua primeira performance, 'Fever Room'.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A Santa Casa da Misericórdia de Paris
Daniel Bastos
Historiador
Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades
José Cesário
Deputado
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
Portugal Maior
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Português é uma língua com valor universal»
Luís Faro Ramos, presidente do Instituto Camões
PORTUGAL
«A China está pronta para nos acolher»
José Augusto Duarte, Embaixador de Portugal na China
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ