ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Estudantes estrangeiros derretem-se em elogios a Leiria
Elisabete Cruz • 26-Dez-2017
Estudantes estrangeiros derretem-se em elogios a Leiria



Segurança, sol, simpatia, acolhimento, boa gastronomia e óptimo vinho fazem as delícias dos estudantes internacionais que frequentam licenciaturas, mestrados ou cursos de curta duração no Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria).

São 1200 alunos, de 61 nacionalidades. O pódio é ocupado pelo Brasil, Equador e China. Mas há estudantes que viajam de locais como a Índia, a Jordânia ou o Uzbequistão. Em comum têm a vontade de aprender. Até chegarem desconheciam Leiria, mas rapidamente ficam rendidos aos encantos da cidade, geralmente mais pequena que os locais onde moram. Consideram os portugueses afáveis, sempre prontos a ajudar e adoram o sol e a segurança que sentem ao andar na rua, mesmo fora de horas. Surpreendem-se com a qualidade e disponibilidade dos professores e garantem que o IPLeiria é um local para recomendar.

 

Da Índia para Leiria para ser engenheira

Vani Annappa, 25 anos, natural da Índia, escolheu o IPLeiria pela licenciatura em Engenharia Civil. “As opções do curso eram melhores do que vi em outras universidades.” Há dois anos chegou a 

Leiria. Tudo é diferente de Bangalore, a sua cidade natal, que tem quase tantos habitantes como Portugal, “tem um clima ameno e onde não há oceano”. “Leiria é muito pequena, mas muito mais seguro. Na Índia, os meus pais não me deixam sair depois das 20 horas. Aqui vou a festas até às 2 da manhã.” Como hindu, a vaca é considerada um animal sagrado, pelo que é carne que não come, mas aceita que outros o façam. Constata grandes diferenças na alimentação, que acusa de ter pouco sal. “Na minha terra a comida tem muito sal e é picante. Aqui como mais vegetais.” Vani revela que não tem o hábito de fazer refeições fora de casa. “A minha mãe compra tudo fresco e prepara tudo em casa.”

Aos poucos vai-se habituando aos costumes ocidentais. E o ensino é uma das suas partes preferidas. “Os professores são amigos e ajudam em tudo. Se não percebemos a matéria, tentam explicar melhor. Na Índia temos medo do professor. Aqui não se usa muito os livros, mas mais apresentações e recurso a websites. Na Índia há mais teoria e muito pouca prática.” 

Depois de várias horas de voo, quando aterrou em Portugal, Vani estava assustada. “Quando vi que as pessoas eram tão boas, simpáticas, sempre disponíveis a ajudar, fiquei mais descansada.” Prefere não falar da família que está longe, porque rapidamente as lágrimas tentam sair. Diz que não com a mão à conversa sobre as saudades e volta a falar sobre os professores: “falam muito bem inglês e conseguem ensinar nesta língua”. Talvez por isso, apesar de estar há dois anos em Leiria não fala português. “Já me inscrevi no Curso de Língua Portuguesa.” Regressar à Índia? Só daqui a uns dez anos, depois de trabalhar e ganhar experiência, garante.

 

Professor para mudar educação no Brasil

“Desde pequeno que quero ser professor. Quero mudar a Educação do meu país, que precisa de melhorar muito.” Juracy Marques, 24 anos, está a fazer o mestrado em Engenharia da Energia e do Ambiente.

Diz que é uma pessoa “muito solta” e que já viajou por mais de 20 países. Com 18 anos rumou à Alemanha para fazer a licenciatura. Agora, uma publicação no facebook fê-lo cruzar com o IPLeiria. A informação que recolheu fê-lo inscrever-se de imediato. O objetivo é obter o máximo de qualificações, onde se inclui um doutoramento. “Depois vou voltar para o Brasil. Cada turma tem à volta de 40 alunos, se conseguir mudar 10% em cada turma já vou ficar contente.”

Natural de Salvador da Bahia, Juracy agradece aos pais a oportunidade que lhe deram para estudar. “Não tenho bolsa. Eles sempre foram o meu suporte para estudar, apesar de só terem a terceira classe. Fiz umas economias e agora procuro trabalho”, revela.

Também o brasileiro destaca a segurança e a simpatia das pessoas como vantagens de Leiria. “Aqui ando à noite na rua sem problema. Se fosse em Salvador já tinha sido assaltado 10 vezes. As pessoas são super simpáticas, parece que se colocam no nosso lugar e ajudam. Quando pergunto onde fica algum lugar, elas levam-me até lá. Sinto-me em casa.”

Habituado às duas estações da Bahia: “verão com chuva e verão sem chuva”, Juracy ainda se está a habituar a outras temperaturas. Considera que os leirienses “bem chiques” e “bonitos”, homens e mulheres. “Procuram estar bem vestidos.”

Está “amando as aulas”, que considera “bem diferentes” do Brasil e da Alemanha. “Aqui há teoria e depois a prática para aplicar o que aprendemos. Os professores deixam-nos mais confortáveis para pedir ajuda”. Leiria é “uma cidade pequena e os gastos são menores”. Quanto à gastronomia, “come-se muita batata” e os vinhos... “são ótimos”.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ