ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Viola beiroa renasce em Idanha-a-Nova
Revista PORT.COM • 17-Out-2016
Viola beiroa renasce em Idanha-a-Nova



A Câmara de Idanha-a-Nova e a Filarmónica Idanhense querem dar um novo impulso na revitalização e na preservação da viola beiroa, um instrumento secular tradicional da Beira Baixa que esteve à beira da extinção.

O município e a Filarmónica Idanhense lançaram um curso de construção de viola beiroa, frequentado por 12 formandos, que foi iniciado a 01 de outubro, Dia Mundial da Música.

O objetivo desta iniciativa está bem definido: aprender a construir uma viola beiroa e contribuir para a revitalização da história musical do concelho, onde este instrumento musical quer retomar o seu lugar de destaque.

“No país, não há uma oficina de construção e há também pouca gente que toque a viola beiroa”, comenta o diretor artístico da Filarmónica Idanhense, João Abrantes.

Desde as 09H00, as duas oficinas montadas no espaço do mercado municipal de Idanha-a-Nova ganham uma vida nova, com os formandos atentos às indicações dadas pelo mestre Alísio Saraiva, o coordenador do curso, tocador e o grande responsável por evitar a extinção da viola beiroa na Beira Baixa.

Eduardo Antunes tem 22 anos e é o formando mais novo deste curso. Por breves instantes, interrompe o seu trabalho de “carpinteiro” e explica que assim que surgiu a oportunidade de integrar este curso não hesitou.

“Toco vários instrumentos musicais, desde guitarra, trombone, bateria ou adufe, mas não sabia construir nenhum instrumento musical. É uma oportunidade que tenho para aprender, até porque este é um instrumento que estava em extinção”, explica.

No grupo de 12 formandos, há fotojornalistas, reformados, bombeiros, estudantes, carpinteiros e agricultores.

“Há de tudo e as idades dos formandos vão dos 22 aos 70 anos. A ideia de se avançar com este curso tem ainda outro objetivo mais alargado que é criar em Idanha-a-Nova uma oficina de música tradicional, não só da viola beiroa, mas de outros instrumentos, como a zamburra ou a palheta de Monsanto”, afirma João Abrantes.

A vila de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, que integra desde o final de 2015 o grupo de Cidades da Música da UNESCO, no âmbito da rede de Cidades Criativas, quer integrar a viola beiroa em todos os grupos tradicionais do concelho.

“A seguir a este curso de construção vai haver um outro de execução para criar público e revitalizar o uso da viola. Queremos que passe a estar integrada em todos os grupos tradicionais de Idanha-a-Nova”, concluiu o diretor artístico da Filarmónica Idanhense.

Praticamente desaparecida da Beira Baixa, esta viola pode ser ainda encontrada em ocasiões cerimoniais, destacando-se a sua aplicação na ‘Dança dos Homens’ que remonta ao século XVII e que acontece apenas nas festas de maio, da Nossa Senhora do Alto dos Céus, na freguesia de Lousa, em Castelo Branco.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ