ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Viola beiroa renasce em Idanha-a-Nova
Revista PORT.COM • 17-Out-2016
Viola beiroa renasce em Idanha-a-Nova



A Câmara de Idanha-a-Nova e a Filarmónica Idanhense querem dar um novo impulso na revitalização e na preservação da viola beiroa, um instrumento secular tradicional da Beira Baixa que esteve à beira da extinção.

O município e a Filarmónica Idanhense lançaram um curso de construção de viola beiroa, frequentado por 12 formandos, que foi iniciado a 01 de outubro, Dia Mundial da Música.

O objetivo desta iniciativa está bem definido: aprender a construir uma viola beiroa e contribuir para a revitalização da história musical do concelho, onde este instrumento musical quer retomar o seu lugar de destaque.

“No país, não há uma oficina de construção e há também pouca gente que toque a viola beiroa”, comenta o diretor artístico da Filarmónica Idanhense, João Abrantes.

Desde as 09H00, as duas oficinas montadas no espaço do mercado municipal de Idanha-a-Nova ganham uma vida nova, com os formandos atentos às indicações dadas pelo mestre Alísio Saraiva, o coordenador do curso, tocador e o grande responsável por evitar a extinção da viola beiroa na Beira Baixa.

Eduardo Antunes tem 22 anos e é o formando mais novo deste curso. Por breves instantes, interrompe o seu trabalho de “carpinteiro” e explica que assim que surgiu a oportunidade de integrar este curso não hesitou.

“Toco vários instrumentos musicais, desde guitarra, trombone, bateria ou adufe, mas não sabia construir nenhum instrumento musical. É uma oportunidade que tenho para aprender, até porque este é um instrumento que estava em extinção”, explica.

No grupo de 12 formandos, há fotojornalistas, reformados, bombeiros, estudantes, carpinteiros e agricultores.

“Há de tudo e as idades dos formandos vão dos 22 aos 70 anos. A ideia de se avançar com este curso tem ainda outro objetivo mais alargado que é criar em Idanha-a-Nova uma oficina de música tradicional, não só da viola beiroa, mas de outros instrumentos, como a zamburra ou a palheta de Monsanto”, afirma João Abrantes.

A vila de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, que integra desde o final de 2015 o grupo de Cidades da Música da UNESCO, no âmbito da rede de Cidades Criativas, quer integrar a viola beiroa em todos os grupos tradicionais do concelho.

“A seguir a este curso de construção vai haver um outro de execução para criar público e revitalizar o uso da viola. Queremos que passe a estar integrada em todos os grupos tradicionais de Idanha-a-Nova”, concluiu o diretor artístico da Filarmónica Idanhense.

Praticamente desaparecida da Beira Baixa, esta viola pode ser ainda encontrada em ocasiões cerimoniais, destacando-se a sua aplicação na ‘Dança dos Homens’ que remonta ao século XVII e que acontece apenas nas festas de maio, da Nossa Senhora do Alto dos Céus, na freguesia de Lousa, em Castelo Branco.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Defender a União Europeia e os direitos de cidadania
Paulo Pisco
Deputado do PS
Saibamos aumentar a participação cívica das nossas comunidades
José Cesário
Deputado do PSD
O retrato dos votos da emigração
José Caria
Diretor-adjunto da PORT.COM
DISCURSO DIRETO
Dia de Portugal e 5.º aniversário da Revista PORT.COM
Marcelo Rebelo de Sousa
PORTUGAL
Língua portuguesa, um passaporte para o presente e para o futuro
Luís Faro Ramos, pres. do Camões I.P.
PORTUGAL
Função de grande responsabilidade e relevância social
José Luís Carneiro, SEC
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ