ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Introdução de português como língua curricular em Friburgo está em estudo
Revista PORT.COM • 19-Fev-2018
Introdução de português como língua curricular em Friburgo está em estudo



As autoridades portuguesas e suíças estão a estudar a possibilidade de introduzir o português como língua curricular do ensino secundário, no Cantão de Friburgo, na Suíça.

As autoridades portuguesas e suíças estão a estudar a possibilidade de introduzir o português como língua curricular do ensino secundário, no Cantão de Friburgo, na Suíça.

Segundo Luís Faro Ramos, presidente do Instituto Camões, que espera que esta possibilidade se torne “uma realidade”, o alargamento do ensino de português a todos os alunos que pretendam aprender a língua terá um “efeito multiplicador” e será “um exemplo para outros cantões” naquele país, onde residem oficialmente 290.000 portugueses.

“Além do ensino às comunidades lusodescendentes, temos como objetivo principal que o (…) português, não só na Suíça, como noutros países, seja uma língua que integre os currículos escolares”, referiu o presidente do Instituto Camões, lembrando que já houve experiências idênticas noutros países, como a Espanha ou a Tunísia.

A Suíça é o país com a maior comunidade de portugueses na Europa, a seguir a França, existindo naquele país 10.000 alunos do ensino básico e secundário a estudar português, ministrado por um grupo de 78 professores, indicou Luís Faro Ramos, sublinhando que, a avançar, o projeto será pioneiro na Suíça.

De acordo com o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, uma das principais preocupações dos emigrantes portugueses que estão a terminar a sua vida laboral na Suíça está relacionada com o seu desejo de regressar a Portugal, nomeadamente, no que respeita à atribuição de pensões e à portabilidade dos seus direitos sociais.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, que também participou nos “Diálogos com as Comunidades”, disse à agência Lusa que, em princípio, os emigrantes portugueses “têm todas as condições” para beneficiar do estatuto de residente não habitual, desde que tenham estado nos últimos cinco anos com residência fiscal fora de Portugal.

Segundo António Mendonça Mendes, muitos emigrantes não sabiam que esse regime era também aplicável aos portugueses, pelo que é necessário que aqueles que queiram requerer esse estatuto se informem e esclareçam a sua situação junto dos serviços de Finanças. 


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Os empresários da diáspora e a valorização do património nacional
Daniel Bastos
Historiador
Políticas de apoio ao regresso prioridade no orçamento para 2019
Paulo Pisco
Deputado do PS
Portugal - um país e um povo em rede
Carlos Zorrinho
Eurodeputado do PS
DISCURSO DIRETO
A escassos dois minutos... de nada
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
O papel do IAPMEI no apoio às PME´s
Nuno Mangas, presidente do conselho diretivo do IAPMEI
PORTUGAL
«Queremos portugueses com mais oportunidades no país»
José Luís Carneiro, SEC
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ