ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Lusodescendente inaugura mural com mais de 53 mil azulejos pintados à mão em Lisboa
Revista PORT.COM • 21-Out-2016
Lusodescendente inaugura mural com mais de 53 mil azulejos pintados à mão em Lisboa



Um mural com mais de 53 mil azulejos pintados à mão, no qual foi desenhada uma “vista panorâmica de uma cidade sonhada” da autoria do artista André Saraiva, é inaugurado hoje no Jardim Botto Machado, em Lisboa.

André Saraiva, filho de portugueses, é o autor do mural “cidade imaginária” que vai estar exposto, a partir de hoje, em Lisboa. O artista nasceu na Suécia, em 1971, passou a adolescência em Paris e atualmente vive e trabalha em Nova Iorque. Lisboa era um sítio “onde vinha de férias”, em cujas paredes começou a pintar uns ‘graffiti’ no final da década de 1980, início de 1990, e com o qual criou uma “relação íntima”, contou, em entrevista à Lusa.

Na “cidade imaginária” retratada no mural de azulejos com cerca de 900 metros quadrados, André Saraiva representou lugares de que gosta e “lugares símbolo”.

Ali estão, entre outros, a Ponte 25 de Abril, o elevador de Santa Justa e o Padrão dos Descobrimentos, de Lisboa, a torre Eiffel, de Paris, e o Empire State Building, de Nova Iorque. Mas também estão garrafas de vinho, barcos, o bar Baron (do qual é proprietário), uma casa de fado, o Museu do Design e da Moda (Mude) de Lisboa e, claro, Mr.A (personagem que espalhou por paredes de todo o mundo e é o seu ‘alter ego’).

“É uma vista panorâmica de uma cidade sonhada, cidade que tem várias histórias, onde cada um pode encontrar a sua própria história: sonhos, histórias de amor, viagens, histórias muito abstratas, tudo”, referiu.

Este projeto nasceu em 2014, no âmbito de uma exposição de André Saraiva no Mude.

“Foi daí que começou a ser desenvolvida esta ideia de o André oferecer a Lisboa uma obra que inicialmente foi pensada como ‘graffiti’ e passou rapidamente a ser pensada neste suporte tão tradicional da nossa cidade que é o azulejo”, referiu a diretora do museu, Bárbara Coutinho.

O mural, além de estar inserido no Programa de Investigação e Salvaguarda do Azulejo de Lisboa (PISAL), da Câmara, faz parte de uma “missão” do Mude, “um objetivo que o Mude sempre teve – e com esta obra dá um primeiro passo com outra escala para que no futuro outras obras se repitam -, que é criar situações que permitam o desenvolvimento da indústria nacional em estreita articulação com artistas contemporâneos”.

Apesar de viver longe, André Saraiva acompanhou de perto a produção do mural: “Viajei muito entre Lisboa e Nova Iorque. Trabalhei com todos os artesãos e trabalhadores da fábrica, aprendi umas técnicas de azulejo”, contou, referindo que “demora mais tempo do que pintar com os sprays [que utiliza nos ‘graffiti’]”.

O local onde foi colocado – o mural tem quatro frentes, que ladeiam o Jardim Botto Machado, no Campo de Santa Clara, onde duas vezes por semana se realiza a Feira da Ladra – não foi ao acaso.

Segundo Bárbara Coutinho, “foi logo pensado para a Feira da Ladra”, por ser “o muro ideal” e por permitir uma “combinação de passado e presente com vista a um futuro”. Além disso, “visa constituir mais um elemento atrativo para quem vive aqui, que habita a cidade e para quem a visita”.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Aqui, Brasil
Francisco Serra
Cônsul honorário de Portugal em Pelotas, Brasil
Condições mais favoráveis ao exercício do direito de voto
José Vítor Soreto de Barros
Presidente da Comissão Nacional de Eleições
Brasília, El Dorado Luso
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Um zacatrás por Portugal
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
Há condições para viver em Arcos de Valdevez
João Esteves, presidente da CM de Arcos de Valdevez
PORTUGAL
A comunidade portuguesa e a Venezuela
Paulo Pisco
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ