ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Emigrante diz que portugueses no Canadá precisam de se reinventar para se integrarem
Revista PORT.COM • 23-Out-2016
Emigrante diz que portugueses no Canadá precisam de se reinventar para se integrarem



Maria João Dodman é docente da Universidade de York e lançou recentemente o seu primeiro livro intitulado “AndarIlha – Viagens de um Hífen”, dedicado aos emigrantes.

A investigadora Maria João Dodman considera que a diáspora portuguesa no Canadá necessita de se reinventar no futuro para assegurar a sua “integração e modernidade”, adaptando-se às mudanças do país de acolhimento.

“Proponho que não esquecendo o passado e as tradições, que vejamos o futuro como reinvenção, que considero necessária à nossa integração e modernidade”, afirmou Maria João Dodman.

Na sua primeira obra literária criativa, a também emigrante no Canadá “lança algumas propostas que desafiam não só a diáspora açoriana” mas também “todos aqueles que deixaram o país”.

Maria João Dodman é professora na Universidade de York no norte de Toronto, dá aulas de Estudos Portugueses e Luso-Brasileiros, e nesta obra relata as suas “experiências e peripécias nas suas viagens pelo mundo e como imigrante no Canadá”.

“AndarIlha é um projeto criativo de 17 narrativas que visa explorar a poética da memória açórica em diálogo e negociação com a tradição, a modernidade, a açorianidade e a identidade híbrida e (i)migrante”, frisou.

A docente espera que a comunidade portuguesa no Canadá “continue a dialogar e a trabalhar para ser de fato “multicultural”. O objetivo é aprendermos “dos outros e ensinar-lhes um pouco de nós próprios, do mundo deixado a trás de este em que nos participamos com a nossa diferença étnica”.

Maria João Dodman, é doutorada pela Universidade de Toronto com a especialidade de literatura ibérica, com uma segunda especialização na literatura brasileira, princípio do século XX.

“Não considero o meu exemplo nem menos nem mais importante que nenhum outro imigrante; optei por uma caminho talvez diferente, mas hoje em dia há um número importante de jovens académicos de origens portuguesas, e já existem novo modelos que não existiam há 20 anos”, acrescentou.

“O nosso sucesso coletivo ocorrerá quando começarmos a celebrar as decisões dos nossos jovens,”, pois temos de celebrar a diferença a “diferença e a novidade”, nomeadamente na “hibridez e os caminhos múltiplos a seguir”, sejam eles académicos ou não, acrescentou.

Na opinião de Maria João Dodman, a obra acaba por ser “uma homenagem a todos aqueles que são hífens, emigrantes e que vivem para sempre entre mundos”, habitando no imaginária da autora uma grande variedade de diversas classes sociais, ideologias políticas, e que se relacionam com a essências hifenizada de várias formas.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ