ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Filmes portugueses e coprodução luso-francesa exibidos em festival de Nova Iorque
Revista PORT.COM • 28-Mar-2018
Filmes portugueses e coprodução luso-francesa exibidos em festival de Nova Iorque



Filmes portugueses e coprodução luso-francesa exibidos em festival de Nova Iorque

“Djon África”, de Filipa Reis e João Miller Guerra, “A Fábrica de Nada”, de Pedro Pinho, “Coelho Mau”, de Carlos Conceição, e “Milla”, de Valérie Massadian, fazem parte da programação da 47.ª edição do “Novos Realizadores/Novos Filmes”.

O festival, que decorre no Lincoln Center e no Museu de Arte Moderna (MoMA), “celebra realizadores que representam o presente e antecipam o futuro do cinema” e exibe este ano 25 longas e dez curtas-metragens, de 29 países dos cinco continentes.

“Djon África”, primeira longa-metragem de ficção de Filipa Reis e João Miller Guerra, estreou-se em janeiro no Festival Internacional de Cinema de Roterdão, na Holanda.

Filipa Reis e João Miller Guerra voltaram à história de Miguel Moreira, jovem português descendente de imigrantes cabo-verdianos, que já tinha sido aflorada no documentário “Li Ké Terra”, e filmaram uma ficção rodada entre o Casal da Boba, na Amadora, e Cabo Verde.

No filme, Djon África, a personagem que se pode confundir com a vida real de Miguel Moreira, viaja para Cabo Verde em busca das raízes familiares e do pai, que não conheceu.

Na edição deste ano do festival de Roterdão foi também exibido “A Fábrica de Nada”, que se estreou em maio do ano passado no Festival de Cannes, França, onde venceu o prémio da crítica, a que se seguiu o prémio CineVision, em junho, em Munique, para melhor novo filme, o principal prémio do Festival de Cinema Europeu de Sevilha, em novembro, e o prémio especial do júri do festival de cinema de Turim, em dezembro.

O filme foi igualmente distinguido nos Prémios Fénix do cinema ibero-americano e nos festivais Duhok, no Iraque, e Miskolc, na Hungria, e foi selecionado para os festivais de Londres, Toronto e Jerusalém.

“A Fábrica de Nada” foi construído em conjunto com Luísa Homem, Leonor Noivo, Tiago Hespanha, a partir de uma ideia de Jorge Silva Melo e da peça de teatro “A fábrica de nada”, de Judith Herzberg.

O filme de ficção, interpretado por atores e não atores, segue a vida de um grupo de operários que tentam segurar os postos de trabalho, através de uma solução de autogestão coletiva, e evitar, assim, o encerramento de uma fábrica.

“Coelho Mau” esteve em competição na edição deste ano do Festival Internacional de Cinema de Clermont-Ferrand, França. Centrado na relação entre dois irmãos (os atores João Arrais e Júlia Palha), o filme de Carlos Conceição já tinha sido exibido em Cannes, em maio do ano passado.

 

A coprodução franco-portuguesa “Milla”, que também foi exibido este ano em Roterdão, venceu no ano passado o Grande Prémio Cidade de Lisboa para Melhor Filme da Competição Internacional do festival Doclisboa.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ