ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Fernando Pessoa inspira atores na China
Revista PORT.COM • 29-Out-2016
Fernando Pessoa inspira atores na China



Encenador chinês apoia-se nos poemas de heterónimos de Fernando Pessoa para inspirar os atores durante os ensaios e já adaptou os poemas de Alberto Caeiro para o teatro.

Nos últimos 11 anos, o encenador chinês Shao Sifan recorreu aos versos de Alberto Caeiro, um dos heterónimos de Fernando Pessoa, para inspirar os atores que dirige. Esta semana, prestou finalmente homenagem ao ‘Mestre Ingénuo’.

“Quando estou nos ensaios, costumo ler os poemas de Alberto Caeiro com os atores”, conta Shao à agência Lusa sobre a importância do poeta no seu trabalho.

“Não refletir, mas sentir apenas. É uma ideia que quero que retenham”, explica. “Esquecer a mente e usar só os sentidos. Parece simples, mas não é”.

Shao Sifan, 37 anos, é o encenador da peça “Caeiro! Aquela Noite Triunfal”, uma adaptação para o teatro dos poemas de Alberto Caeiro que esteve esta semana em exibição no teatro Peng Hao, em Pequim.

Localizado num dos raros “hutongs” – os típicos becos da capital chinesa – que não foi arrasado para dar lugar a construções em altura, o lema daquele espaço é ‘Theatre is Free’ (“o Teatro é Livre”).

“O proprietário é uma pessoa de mente aberta e dá-nos a oportunidade de fazermos coisas diferentes”, diz Shao.

Trinta minutos antes da última apresentação, na quarta-feira, os bilhetes já estavam esgotados. Entre a plateia, composta por cerca de 100 pessoas, houve até quem ficasse de pé.

 

Pessoa, “um dos poetas mais influentes do século XX”

Fernando Pessoa morreu em 1935, com 47 anos de idade. Alberto Caeiro foi um dos seus mais conhecidos heterónimos, descrito como um anti-metafísico, que desprezava qualquer tipo de pensamento filosófico.

Em 2013, uma editora de Xangai publicou a tradução chinesa dos seus poemas e ensaios, um livro com cerca de 300 páginas.

Shao, porém, conheceu os poemas de Alberto Caeiro oito anos antes, quando vivia em Paris.

“Assisti por acaso a uma adaptação para teatro do Guardador de Rebanhos. Foi uma noite esplêndida”, recorda. “A sua poesia deu-me logo uma sensação de bem-estar”.

Nessa altura, o jovem encenador não conhecia ainda “Pei Suo A”, (Pessoa, em chinês) e só mais tarde descobriria que Alberto Caeiro era afinal um dos seus heterónimos.

Hoje, não tem dúvidas: “Pessoa é um dos poetas mais influentes do século XX. A sua obra é indispensável”.

O primeiro trabalho de Fernando Pessoa publicado na República Popular da China, em 1999, foi “O Livro do Desassossego”, traduzido a partir do inglês pelo romancista Han Shaogong.

Uma década depois, o livro já ia na quinta edição e inspirou o nome de um dos blogues mais populares da China, “Oitavo Continente”.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
O Observatório dos Lusodescendentes
Daniel Bastos
Historiador
La Lys: Celebrações com sentido reparador
Paulo Pisco
Deputado do PS
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
A Oriente nada de novo?
José Caria
PORTUGAL
“Acreditem no potencial que existe nas comunidades”
Isabelle Coelho-Marques
PORTUGAL
“Não foi por acaso que Portugal foi o melhor destino do mundo em 2017”
Pedro Machado
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ