ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugal volta a subir aos palcos do Festival Chantiers d’Europe
Revista PORT.COM • 14-Mai-2018
Portugal volta a subir aos palcos do Festival Chantiers d’Europe



A 8ª edição do festival Chantiers d’Europe arranca hoje, 14 de maio, e conta, uma vez mais, com programação portuguesa. O concerto inaugural “Lisbonne Paris”, que começa às 21h no Théâtre de la Ville-Espace Cardin, no centro de Paris, vai juntar Camané e Agnès Jaoui, num “encontro com ares de fado”.

Este ano, e no âmbito das comemorações do tratado de amizade Paris-Lisboa, a abertura do festival fica a cargo do fadista português, que canta com a realizadora, atriz e cantora francesa Agnès Jaoui.

De acordo com Emmanuel Demarcy-Mota, lusodescendente e diretor do Théâtre de la Ville, «a arte e a sua partilha parecem-nos, mais do que nunca, indispensáveis para reafirmar o nosso desejo de estar juntos, de construir, de questionar, pela força da arte, um território comum, inventivo e de reflexão».

O responsável acredita que a «Europa tem de ser construída por via de uma ação artística e cultural e não só de um ponto de vista económico», com o objetivo de ajudar os «artistas a circularem e a não ficarem fechados nos países que estavam economicamente numa crise muito forte».

Demarcy-Mota explica que, por isso, «a presença dos países do Sul da Europa como a Itália, a Grécia, Espanha e Portugal, mais tocados pela crise económica, estão omnipresentes nas sucessivas edições do «Chantiers d’Europe».

No que diz respeito à promoção da cultura portuguesa em França, Demarcy-mota referiu que é importante «mostrar que Portugal tem uma vitalidade artística, que não é só um país de sol e de férias, não é só um país mais barato, onde as pessoas são simpáticas», tem também «uma visão de futuro, não é só um país que está atrás do sistema francês ou alemão dentro da construção europeia».

A 14 e 15 de maio, também no Espace Cardin, a companhia Hotel Europa junta o português André Amálio e a checa Tereza Havlíková, e vai apresentar “Portugal não é um país pequeno”, um espetáculo que “relata, no presente, o passado político e colonial” do país que teve “500 anos de presença em África, nomeadamente em Angola e em Moçambique”.

No dia 16 de maio, ainda neste mesmo espaço, a coreógrafa Tânia Carvalho apresenta “Um Saco e uma Pedra — peça de dança para ecrã”, com música do compositor Diogo Alvim, na qual “ela enfrenta um novo desafio: imagina uma peça de dança que decidiu viver a sua própria vida e escolheu antes o ecrã do que o palco para se desenvolver”.

A 17 de maio, no Théâtre des Abbesses, Pedro Penim, do coletivo Teatro Praga, vai apresentar “before”, um espetáculo descrito como um “atlas da melancolia”, que confronta “um tiranossauro pré-histórico e um psicanalista pós-moderno dotado de ceticismo”, num “diálogo acutilante e hilariante em que se encontra matéria para meditar sobre o futuro das civilizações e sobre as suas propensões para alimentar mitologias e fantasmas de impérios extintos”.

Nos dias 21 e 22 de maio, novamente no Espace Cardin, a Companhia de Música Teatral vai apresentar “Babelim”, “um espetáculo interativo e lúdico”, destinado às crianças dos 18 meses aos sete anos — “e aos adultos que as acompanham” — com “piano, voz, instrumentos inventados”, a partir do termo “babelim” que “designa uma forma de comunicação baseada em sons, imagens e gestos que precedem a língua”.

O compositor Diogo Alvim e a fotógrafa Estelle Valente vão estar em residência ao longo do festival.

Na edição de 2019, ano de eleições europeias, o festival terá como título «Chantiers d’Europe-Chantiers du Monde», com o objetivo de «serem trabalhados temas que questionam a relação da Europa com o Mundo», adiantou Demarcy-Mota. O Diretor do Théâtre de La Ville mostrou-se preocupado com a subida da extrema direita e defendeu que o «Chantiers d’Europe é um momento em que se trabalha contra a ideia da xenofobia» para «não deixar alguns povos voltarem a uma noção de identidade ligada ao nacionalismo».


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
Emigração traz riqueza
Jack Soifer
Jack Soifer, Consultor internacional
Mudanças na legislação eleitoral, conquista ou oportunidade perdida?
José Cesário
Deputado
O Festival Kunchi e os laços ancestrais entre Portugal e o Japão
Daniel Bastos
Historiador
DISCURSO DIRETO
Macau, ponto focal do comércio Portugal-China
Paulo Alexandre Ferreira, Secretário de Estado Adjunto e do Comércio
PORTUGAL
Importância estratégica de Macau
José Caria, Diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Adega Mayor representa uma aposta de crescimento»
Rita Nabeiro, Diretora da Adega Mayor
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ