ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Lusoscopie promove cerca de 20 artistas portugueses em Paris
Revista PORT.COM • 29-Mai-2018
Lusoscopie promove cerca de 20 artistas portugueses em Paris



A segunda edição da «Lusoscopie» está a promover cerca de 20 artistas portugueses em Paris, ao longo deste mês e em junho, para mostrar a «vitalidade da presença lusa no meio artístico parisiense».

A iniciativa é de João Pinharanda, Diretor do Centro Cultural Camões em Paris, e vai reunir nomes como Vhils, Pantónio, Nuno Viegas, João Samina, MrDheo, Akacorleone, Gonçalo Mar, Mário Belém, Paulo Nozolino, Carlos No, Borderlovers (Ivo Bassanti et Pedro Amaral), José Loureiro, Alexandra de Pinho, Adriana Molder, Gabriel Abrantes, Beatriz Batarda, Alexandre Delgado e Fábio Godinho, entre outros.

O objetivo «é mostrar em Paris uma série de artistas que têm uma presença regular e até comercial», explicou à Lusa João Pinharanda, sublinhando que juntou no programa exposições que já estavam previstas e um colóquio organizado em parceria com a delegação francesa da Fundação Calouste Gulbenkian.

«‘Lusoscopie’ é um nome que faz um jogo com ‘lusophonie’ – portanto, falar em português – e interroga se há uma maneira de ver em português ou de fazer ver em português e de comunicar visualmente em português», afirmou o também Conselheiro cultural da Embaixada de Portugal em Paris.

João Pinharanda destacou que é, ainda, uma maneira de congregar exposições que mostram artistas portugueses, «num mês muito ativo, tanto do lado do design, como do lado da arquitetura, como do lado das artes plásticas, dos museus» e das galerias para dar a ver que «essa presença portuguesa – talvez por ser dispersa – é porque está inserida e integrada no tecido e na malha de funcionamento do meio artístico parisiense».

Em destaque na «Lusoscopie» vai estar, por exemplo, a arte urbana, com a exposição de Alexandre Farto (Vhils) na galeria galerie Magda Danysz (paralela à mostra que vai estar patente no centro cultural Centquatre, até 29 de julho) e a exposição «Made in Portugal», na GCA Gallery, de 09 de junho a 14 de julho, que vai juntar obras de Pantónio, Nuno Viegas, João Samina, MrDheo, Akacorleone, Gonçalo Mar e Mário Belém.

No dia 18 de maio, foi inaugurada a exposição «Laisse toi faire», da dupla Borderlovers (Pedro Amaral e Ivo Bassanti), na galeria Shiki Miki, uma projeção vídeo, e uma homenagem a Maria Helena Vieira da Silva, que se realizou 20 de maio.

Adriana Molder vai inaugurar uma mostra a 06 de junho, na galeria Álvaro Roquette & Pedro Aguiar Branco, e Alexandra de Pinho vai expor no Espace Carpeaux.

No Salão do Imobiliário e do Turismo Português, que teve lugar de 18 a 20 de maio, na Porta de Versalhes, a «Lusoscopie» promoveu a presença de quatro ateliês de arquitetos do Porto: Luís Tavares Pereira, Paula Santos – Arquitetura, Alexandre Loureiro e Gabriela Pinto, e Jorge Garcia Pereira e Luís Albuquerque Pinho.

No programa estão ainda incluídas exposições que já foram inauguradas, como a mostra «Isótopo» do artista José Loureiro, na Galerie Maubert, patente até 16 de junho, e a exposição de arquitetura «Carrilho da Graça: Lisboa», na École Nationale Supérieure d’Architecture de Paris-Val de Seine e de Paris-Belleville.

 

A segunda edição do colóquio «La Voix aux Images – Sur Scène e Hors Scène» realizou-se a 17 de maio, na Gulbenkian de Paris, em parceria com a Embaixada de Portugal e o Camões – Centro Cultural Português em Paris, e pretendeu refletir o «universalismo» da língua portuguesa através de «diálogos entre o cinema, literatura, teatro, dança», acrescentou João Pinharanda.

De manhã, o compositor e violetista Alexandre Delgado animou uma mesa redonda intitulada «Caminhos da ópera em Portugal», enquanto a historiadora de teatro Maria João Brilhante, a ex-Adida cultural do Instituto Francês de Portugal Chloé Siganos e a Diretora da companhia de teatro franco-portuguesa Cá e Lá, Graça dos Santos, falaram sobre «Mille plateaux entre la France et le Portugal».

Depois, foi projetado o vídeo «Comer o coração», realizado por Helena Inverno, que retrata um trabalho de conceção e criação conjunta entre o escultor Rui Chafes e a coreógrafa e bailarina Vera Mantero.

À tarde, a atriz Beatriz Batarda falou sobre a sua relação com o teatro, cinema e literatura, seguindo-se uma mesa redonda sobre a tradução e interpretação no teatro com os atores Fábio Godinho e Jacques Bonnaffé, a também professora de teatro Graça dos Santos e os tradutores Marie-Amélie Robilliard e Pierre Leglise-Costa.

No final do dia, o realizador e artista plástico Gabriel Abrantes apresentou excertos dos seus filmes numa sessão intitulada «Neverland».

A cidade de Lyon também entra na «Lusoscopie» com a exposição «Peut-être demain», do artista Carlos No, na galeria Elizabeth Couturier, até 30 de junho.

O programa está disponível na página internet do Camões – Centro Cultural Português em Paris: www.camoes-centreculturelportugais.org.


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ