ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Universidade do Canadá distingue estudante lusodescendente
Revista PORT.COM • 16-Nov-2016
Universidade do Canadá distingue estudante lusodescendente



O programa de Estudos Portugueses e Luso-brasileiros pertence à Facultade de Artes Liberais e Estudos Profissionais, uma das faculdades de estudos liberais maiores do país, com cerca de 28 mil alunos.

A Universidade de York, em Toronto, no Canadá, vai criar o Prémio ‘Pedras Negras: Espírito Açoriano’, que visa distinguir o melhor aluno do programa de Estudos Portugueses e Luso-brasileiros.

“O Prémio Pedras Negras: Espírito Açoriano foi criado em 2014 na Universidade de York, tem o patrocínio do Banco Santander Totta, e o objetivo de distinguir a progressão e o mérito académico bem como o envolvimento em atividades co(extra)curriculares em Estudos Portugueses e Luso-brasileiros”, afirmou à Lusa a professora Inês Cardoso.

A docente do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, doutorada em Didática de Língua, a lecionar na Universidade de York, explicou que este prémio “reconhece os estudantes inscritos neste programa a tempo inteiro que já tenham completado, pelo menos, 12 créditos em disciplinas com a rubrica correspondente”.

O Prémio pretende também “homenagear o escritor José Dias de Melo”, autor da obra ‘Pedras Negras’, de 1964, um importante escritor português, natural dos Açores.

“Celebrizou-se como o ‘escritor das baleias’, particularmente por a sua obra literária versar ampla e profundamente a saga do povo açoriano, especialmente associada à problemática da indústria baleeira”, sublinhou a professora Maria João Dodman, docente da Universidade de York.

O ‘Prémio Pedras Negras: Espírito Açoriano’ (2015/16) foi este ano ser atribuído à aluna lusodescendente Natasha Ferreira, na Casa dos Açores do Ontário, pela sua dedicação e participação bastante ativa na comunidade universitária.

“Estes cursos e o que me foi ensinado ajudaram-me na aproximação às minhas raízes e mudaram para sempre a minha experiência de visitar Portugal”, declarou a estudante, cujos pais são originários de Barcelos.

Para Natasha Ferreira, “os cursos sobre história e literatura portuguesas dão aos alunos uma nova perspetiva acerca de um povo que contribuiu para um mundo com muito mais conexões; os percursos histórico-políticos de Portugal e do mundo lusófono e a variedade da Língua Portuguesa. Todos estes aspetos alargaram muito mais as noções que eu tinha sobre ‘ser portuguesa'”.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
Pacto Ecológico Europeu – uma primeira avaliação
Francisco Ferreira
Presidente da Direção da ZERO
Nação luso-brasileira
Igor Pereira Lopes
Jornalista e escritor
DISCURSO DIRETO
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
O Devir da Lusofonia
Isabelle de Oliveira, Investigadora
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ