ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Milhares de pessoas na peregrinação ao Santuário da Lapa
Revista PORT.COM • 15-Ago-2018
Milhares de pessoas na peregrinação ao Santuário da Lapa



Hoje, dia 15 de agosto, feriado, data em que se celebra a Assunção de Nossa Senhora aos Céus, cumpre-se a segunda peregrinação do ano ao Santuário da Lapa, em Sernancelhe, o culto mariano mais antigo em Portugal e que, «antes do aparecimento de Fátima, era também o mais importante do país».

A Romaria da Nossa Senhora da Lapa é das mais importantes da Beira Alta. O dia começa com a saída do andor para uma pequena capela setecentista em torno da qual se aglomeram milhares de peregrinos.

Com o aparecimento da virgem na Cova da Iria há mais de cem anos, a devoção à virgem das Terras do Demo foi decaindo, mas ainda hoje por esta altura há quem não deixe de visitar a Lapa, sobretudo os emigrantes quando vêm de férias. Para a peregrinação desta quarta-feira, são esperadas três a cinco mil pessoas.

«Esta é das três a que reúne mais pessoas de forma anónima», explicou ao Jornal do Centro o padre José Alves Amorim, o reitor do templo religioso.

 

Sinais de Nossa Senhora da Lapa no mundo

A terceira e última peregrinação do ano ao Santuário da Lapa acontece no terceiro domingo de setembro.

Tradicionalmente, este era o momento em que os peregrinos da zona do Minho rumavam à Lapa, o que atualmente ainda acontece, mas de forma espaçada ao longo de todo o mês de setembro. Para contornar a situação, e como se estão a completar os 520 anos do aparecimento de Nossa Senhora à pastora Joana, a reitoria do Santuário decidiu mudar o foco desta última peregrinação do ano que agora ganha uma escala mundial.

«Vai ser a peregrinação dos sinais de Nossa Senhora da Lapa no mundo. Descobri que há mais de 60 lugares onde existe devoção à Senhora da Lapa. Esta divulgação deu-se sobretudo no século XVII, quando Portugal chegou a ser império», adianta o reitor.

Esta peregrinação, de 16 de setembro, vai ser uma estreia e por isso o santuário está expectante em saber qual vai ser a adesão dos crentes. Para já está confirmada a vinda de uma comitiva do Brasil.

«Não posso calcular o número de visitantes, mas imagino que tenhamos cinco a dez mil visitantes. Vêm representantes de vários países e muitas pessoas virão por curiosidade», afirma o padre José Alves Amorim.

Segundo o responsável pelo templo religioso, atualmente a Lapa ainda é procurada, mas agora mais por turistas do que crentes. São várias as excursões que param no santuário para ver a virgem que se encontra num rochedo e por onde os visitantes têm que passar. 

 

Lapa: a montanha, a fé e um santuário com mais de 520 anos de história

A história da Lapa começa em 1493 com o aparecimento da imagem de Nossa Senhora debaixo de uma lapa, trazida para aquele local por religiosos que fugiam ao general mouro Al Mansor. A gruta onde a imagem foi descoberta possui uma pedra muito estreia por onde reza a tradição que todos passam, exceto quem tiver pecado grave. A lenda tomou proporções nacionais e, sem demoras, surgiram as primeiras construções naquele local.

Alguns anos mais tarde, e já sob a orientação dos jesuítas, foi construída a atual Igreja, que ficaria concluída no ano de 1635, no exato local onde a Pastorinha Joana descobriu a imagem de Nossa Senhora.

O Colégio, onde gente ilustre como o escritor Aquilino Ribeiro ingressou em 1895 para estudar gramática, latim, lógica e moral, começou a ser construído em finais do século XVI e é uma das obras maiores dos Jesuítas na Lapa, funcionando hoje como pousada do Santuário.

A preponderância da Lapa foi reconhecida também pela coroa que, em 1740 lhe conferiria o estatuto de Vila, que manteria durante 145 anos.

A Lapa é hoje Aldeia de Portugal.

 

Lenda da pastorinha Joana

Chamava-se Joana a pastorinha muda, de doze anos, que, enquanto guardava um pequeno rebanho de ovelhas, avistou, por entre as fendas de um penedo ou lapa, uma imagem de Nossa Senhora. Diz a história que Joana aproximou-se da imagem e, extasiada, permaneceu em oração por largo período de tempo. A pastorinha reparou, então, que as vestes da imagem se encontravam destruídas pela ação do tempo e pela humidade e decidiu erguer, naquele local, um altarzinho. Limpou a imagem, colocou flores em seu redor e não mais deixou de pensar no seu “tesouro”.

No dia seguinte, Joana levou a imagem para casa na cestinha onde a mãe lhe enviava o farnel. A mãe, que não apreciava o facto de Joana perder tempo a fazer vestidinhos para a “boneca”, atirou-a ao lume. Desesperada, Joana, muda de nascença, gritou para a mãe: “Tá! Minha mãe! É Nossa Senhora da Lapa! Ai! Que fez?”.

Diz a lenda que a imagem não se queimou, mas nesse preciso momento a mãe ficou com o braço paralisado. Arrependida do ato que acabara de cometer rezou com Joana e tudo voltou à normalidade. O pároco, conhecedor da história, pediu que a imagem fosse colocada na Igreja Matriz, para não ficar naquele ermo, só que a imagem desaparecia de lá e aparecia na gruta onde Joana a havia descoberto. Era lá que ela queria ser venerada, dizem.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ