ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Salva portuguesa do século XVI premiada na Bienal de Antiguidades de Paris
Revista PORT.COM • 12-Set-2018
Salva portuguesa do século XVI premiada na Bienal de Antiguidades de Paris



Uma salva portuguesa de cobre esmaltado e dourado do século XVI, com armas reais, apresentada pela Galeria São Roque, ganhou o prémio de ‘Objeto de Exceção’ da Bienal de Paris, uma das mais conhecidas feiras de antiquários do mundo.

O prémio de ‘Objeto de Exceção’ da Bienal de Paris foi recebido com «um grande orgulho e uma grande vitória», disse Mário Roque, diretor da São Roque Antiguidades e Galeria de Arte, de Lisboa, a única galeria portuguesa presente na bienal parisiense.

«Tem sido um sucesso e foi um sucesso de tal maneira que obtivemos o prémio da melhor peça da bienal deste ano. É uma salva do século XVI em esmalte com as armas reais portuguesas. Nunca na história da arte portuguesa houve uma peça nossa e que tenha a ver com a nossa história que vá para uma feira internacional e que tenha sido premiada. Eu acho que para a arte portuguesa é uma grande vitória», afirmou.

No expositor da galeria, entre as cerca de 70 peças de arte portuguesa dos séculos XVI e XVII ligada à expansão marítima estão, por exemplo, um cofre indo-português de Guzerate, em madrepérola, tartaruga e montagens de prata, uma caixa de marfim e prata sino-portuguesa e uma caixa do Pegu com um verso da carta de Ceuta de Camões, todas do século XVI.

Esta é a segunda vez que a galeria São Roque participa na Bienal de Paris, que decorre no Grand Palais até 16 de setembro, sendo que no ano passado a galeria lisboeta já tinha apresentado cerca de 70 peças e este ano decidiu fazer a mesma aposta face ao «sucesso e entusiasmo» da edição anterior. Foi considerada «dos melhores expositores pela comunicação social» e despertou o interesse para «uma arte que é talvez um bocadinho desconhecida» em França.

Segundo Mário Roque, a arte da expansão portuguesa começa a ser mais conhecida, e destaca que a sua participação não tem um objetivo «só comercial» porque a aposta é «divulgar a arte portuguesa».

«Tem sido uma grande vitória e um grande orgulho para nós. É que os franceses, pela primeira vez, começam a reconhecer a arte portuguesa», acrescentou, sublinhando que a contribuir para esse reconhecimento esteve o catálogo que editou, no ano passado, para a bienal, com quase 400 páginas sobre a história da arte portuguesa do século XV ao século XVIII, ilustrado com obras que estiveram em exposição.

Este ano, a galeria voltou a editar um catálogo com cerca de 100 peças – 70 das quais em exposição – e que foi intitulado “Portugal, O Primeiro Império Global”, no qual é ilustrada a história das Descobertas e se argumenta que Portugal «foi o primeiro império a fazer a globalização do mundo todo».

O catálogo “Portugal, O Primeiro Império Global” vai ser apresentado na Embaixada de Portugal, em Paris, esta quinta-feira.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ