ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Pedido de ajuda humanitária na Venezuela custa título a Miss Portuguesa
Revista PORT.COM • 14-Mar-2019
Pedido de ajuda humanitária na Venezuela custa título a Miss Portuguesa



A organização do concurso Miss Mundo destituiu Carla Rodrigues de Miss Portuguesa, após mostrar o seu apoio a Juan Guaidó nas redes sociais.

Depois de apelar à entrada de ajuda humanitária na Venezuela e de apoiar publicamente o autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó, a Miss Portuguesa 2018, Carla Rodrigues, foi destituída do cargo pela ‘MMRP Beleza por Uma Causa’.

Isidro de Brito, presidente da organização Miss Portuguesa, esclareceu em vídeo que «uma miss tem a obrigação de unir o seu povo, tem obrigação de não ser fator de divisão e muito menos de tomar parte em questões políticas».

A situação decorreu depois da publicação de um vídeo na sua conta no Instagram, onde Carla se apresentava como Miss Portuguesa e apelava à entrada da ajuda humanitária na Venezuela, demonstrando o seu apoio a Juan Guaidó que «devolvia a esperança a todos os venezuelanos». Alguns dias depois, a organização do concurso português emitiu nas redes sociais o comunicado de destituição de Carla Rodrigues como Miss Portuguesa devido ao «incumprimento das regras devidamente contratualizadas para o desempenho do mandato de Miss Portuguesa».

«Não podemos, não aceitamos que ao encobrimento das causas humanitárias sejam tomadas posições políticas, sejam onde for» foram as declarações em vídeo de Isidro Brito, que afirmou ainda não ser admissível que «nenhuma Miss Portuguesa faça considerações políticas sobre outro país». O presidente da organização defendeu que não cabe à sua organização definir como certas ou erradas as opiniões da mMiss, efetuadas «na qualidade de Miss Portuguesa, sem o conhecimento ou autorização da organização» e que infringiram regras contratuais.

Na página de Facebook da organização, está descrito o concurso: «O título de Miss Portuguesa gera oportunidades profissionais e pessoais, além de abrir canais para que a vencedora possa expressar seus pontos de vista nos mais diversos tópicos em entrevistas em programas de televisão, revistas e websites, enriquecer culturalmente, conhecendo novos países e regiões do país, e tornar-se um modelo de cidadania para todas as gerações. Tudo isso, sem contar o privilégio e a responsabilidade de representar Portugal nos maiores eventos de beleza do planeta. Ser Miss Portuguesa é uma experiência única e inesquecível».

No mesmo comunicado, a MMRP Beleza por Uma Causa declara que «compreende que o ser jornalista e luso-venezuelana levou a que Carla Rodrigues tivesse tomado a opção que levou a esta decisão», terminando com desejos de sucesso à modelo e jornalista. A organização do concurso anunciou também que o título de Miss Portuguesa seria desempenhado por Ana Rita Aguiar, Primeira Dama de Honor.

Embora Carla Rodrigues afirma nunca ter expressado o desejo de encetar qualquer tipo de campanha para enviar ajuda humanitária para qualquer país, acredita que a associação a acusa de estar a cometer fraude e pede, por isso, que lhe digam na cara que não foi por apelar à ajuda humanitária e apoiar Guaidó que foi destituída do cargo de Miss Portuguesa.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ