ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Festival Iminente em Xangai com a participação de Vhils
Revista PORT.COM • 18-Mar-2019
Festival Iminente em Xangai com a participação de Vhils



Alexandre Farto vai inaugurar exposição a solo na cidade chinesa com obras criadas durante as suas estadias na China, de 23 de março a 25 de maio, que receberá também um “showcase” do Festival Iminente.

Vhils regressa à China, país onde, desde 2012, tem vindo a desenvolver trabalhos «durante estadias em Pequim e Xangai». “Realm” é nova exposição de Alexandre Farto, popularmente conhecido como Vhils, e procura «ser representativa das vidas e das pessoas que dão forma a estas cidades, refletindo algo da (sua) essência mais profunda».

O comunicado divulgado pelo estúdio do artista informa que nesta exposição serão apresentadas peças em «placas de gesso básicas, usadas na construção civil em qualquer parte do mundo» ao lado de algumas peças da prévia mostra individual do artista “Imprint”, em Pequim, no ano de 2017.

A nova exposição “Realm” expõe obras «inspiradas diretamente em Xangai e nos seus habitantes, estabelecendo um diálogo entre as duas cidades» (Xangai e Pequim) e fornece «uma visão profundamente humanista» das mesmas. Estará patente na Galeria Danysz, de 23 de março a 25 de maio.

O artista português é mentor do Festival Iminente que «chega a Xangai para uma noite que reúne uma seleção de música pronta para conquistar o mundo». O festival vai contar com a presença de DJ Marfox, DJ Shaka Lion e do grupo de DJs Yeti Out no bar Le Baron do artista André Saraiva. Realizado pela primeira vez em Oeiras no ano de 2016, o Iminente passou por Londres no ano seguinte e por Lisboa em 2018, no Panorâmico de Monsanto, por onde irá ficar até 2020.

 

Mas quem é Vhils?

Criado no Seixal, Alexandre Farto começou por “graffitar” em paredes e comboios nos primórdios da sua adolescência. Estudou Belas Artes, na Central Saint Martins, em Londres e hoje é mundialmente conhecido por “escavar” retratos nas paredes (e noutros suportes). Os seus trabalhos podem ser vistos nas ruas do Brasil, Estados Unidos, Hong Kong, Itália, Macau, Malásia, Tailândia e Ucrânia.

A sua primeira exposição “Dissecação/Dissection” foi visitada por mais de 65 mil visitantes em apenas 3 meses, no Museu da Eletricidade, em Lisboa, no ano de 2014, marcado pela colaboração com os U2, para quem fez um vídeo incluído no projeto “Films of Innocence” e um complemento do álbum “Songs of Innocence”.

No ano seguinte, o seu trabalho quebrou as barreiras terrestres e chegou ao espaço na Estação Espacial Internacional, no âmbito do filme “O Sentido da Vida”, de Miguel Gonçalves Mendes.

Em junho do ano passado, o Museu de Arte Antiga de Lisboa recebeu três retratos de moradores do Bairro 6 de Maio, da Amadora, que Vhils fez em parceria com o investigador António Brito Guterres.

O artista de 32 anos é também, em conjunto com Pauline Foessel, fundador da plataforma cultural “Underdogs”, situada no nº56 da Rua Fernando Palha, em Lisboa e inclui arte pública, pinturas nas paredes da cidade e exposições. A mencionada plataforma tem uma loja na Rua da Cintura do Porto de Lisboa que desde 2015 organiza visitas guiadas de Arte Urbana em Lisboa.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Macau: uma oportunidade ainda a descobrir
Alberto Carvalho Neto
Presidente da AJEPC
A importância da participação eleitoral nas comunidades
José Luís Carneiro
SECP
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
DISCURSO DIRETO
A preservação da memória e identidade da emigração portuguesa na toponímia
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Portugal a votos
José Caria, Diretor-Adjunto da PORT.com
PORTUGAL
Lusos em Luanda
Jack Soifer, Consultor Internacional
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ