ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Diplomacia cultural bem-sucedida: um exemplo no relacionamento Portugal-China
Renato Lu, Diário do Povo online • 20-Ago-2019
Diplomacia cultural bem-sucedida: um exemplo no relacionamento Portugal-China



Num artigo datado de 13 de junho de 2019, Eleanor Albert reconheceu a formação daquilo a que denominou um «Elo China-Portugal».

De facto, é amplamente reconhecido que Portugal parece ser um dos países europeus que tem da China uma imagem mais positiva. O país ibérico tornou-se o primeiro da zona euro a emitir a sua dívida em divisa chinesa a 2 de maio; segundo dados do Ministério do Comércio chinês, o comércio bilateral entre os dois países superou os 6 biliões de dólares em 2018, perfazendo um aumento anual de 7,4%.

Também o vínculo histórico com Portugal é mais forte do que o que une a China a outros países ocidentais. Exploradores portugueses foram os primeiros a alcançar o Império do Meio por via marítima no século XVI, tornando Portugal o primeiro país europeu a estabelecer uma relação comercial regular com a China. Talvez mais importante, o corrente ano marca o 40º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas entre a República Popular da China e a República Portuguesa, bem como o 20º aniversário da retrocessão de Macau. Foi neste contexto que decorreram várias atividades culturais conjuntas, uma das quais a exposição “O País das Cidades Vidradas - 500 anos do Azulejo em Portugal” (em chinês 釉彩国度 - 葡萄牙 瓷板画500), em exibição no Museu da Cidade Proibida em Beijing entre os dias 11 de junho e 7 de outubro de 2019.

O azulejo é, nas palavras da Ministra da Cultura de Portugal Graça Fonseca, «um elemento emblemático da nossa cultura», bem como «testemunho do contacto pioneiro que Portugal estabeleceu com o oriente e, em especial, símbolo feito arte da profunda influência que o conhecimento da cultura chinesa terá entre nós». Constitui, por conseguinte, um excelente exemplo de produto transcultural, fortemente influenciado por motivos orientais e técnicas chinesas de fabricação de porcelana.

Observando o azulejo por este prisma, podemos ver como esta exposição se reveste de grande significado e importância para o diálogo intercultural entre a China e Portugal. Através dela, os dois países são capazes de estabelecer um diálogo cultural verdadeiramente bilateral, que serve não apenas para demonstrar aos portugueses o impacto e o papel da cultura chinesa no seu património cultural, ao mesmo tempo que permite também aos chineses observar como o engenho chinês foi aproveitado e adaptado por um outro povo, de modo a produzir algo completamente novo.

Ao explorar e evidenciar o que tem de comum e o que construiu em conjunto com o ocidente, a China seria capaz de promover não apenas uma «comunidade de destino comum», mas também uma «comunidade de história compartilhada com a Humanidade». A liderança chinesa provou ter consciência do potencial de evidenciar o papel da China no avanço da Humanidade como um todo. A utilização da Rota da Seda histórica para batizar e promover o seu ambicioso projeto de interconetividade é um testemunho do rico legado cultural desse elo civilizacional que ligava oriente e ocidente e no qual a China tinha um papel basilar.

A abordagem poderia, porém, ser ampliada para abarcar interações bilaterais com outros países, e não apenas europeus, a fim de melhor inserir a China num legado cultural global e mostrar aos povos ocidentais e chinês que, assim como cooperaram e alcançaram grandes realizações no passado, é possível fazê-lo novamente no futuro.

Ao invés de encararmos a História como repositório de inimizades e ressentimentos passados, podemos tentar olhar para ela como estando repleta de grandes feitos e conquistas, muitos deles resultantes de esforços conjuntos de diferentes civilizações, que beneficiaram toda a Humanidade.

 

Texto ©Pedro Sobral - mestre em Estudos Asiáticos pela Universidade do Minho


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
4 pilares para a prevenção de Alzheimer
George Perry
Diretor da Fac. de Ciências da Univ. do Texas
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
DISCURSO DIRETO
A emigração portuguesa para a Holanda
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ