ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Poeta Manuel Resende ficará na história da literatura portuguesa
Revista PORT.COM • 30-Jan-2020
Poeta Manuel Resende ficará na história da literatura portuguesa



A ministra da Cultura, Graça Fonseca, considerou que o poeta Manuel Resende, que morreu esta quarta-feira, «ficará profundamente fixado na história da literatura portuguesa», destacando o seu «singular percurso poético».

«O seu nome ficará profundamente fixado na história da literatura portuguesa, não só pelo singular percurso poético com que, a cada livro, nos foi surpreendendo, mas também pelo enorme entusiasmo com que sempre traduziu», referiu Graça Fonseca, numa nota de pesar, na qual lamenta profundamente a morte do escritor, poeta e tradutor.

O poeta Manuel Resende nascido em 1948, no Porto, morreu ontem, em Lisboa, disse a editora do autor, Livros Cotovia, que o define como «um dos maiores poetas portugueses».

«Demonstrando que o trabalho de tradução é também uma arte por direito próprio, Manuel Resende foi um dos mais notáveis tradutores da língua portuguesa e um divulgador apaixonado da arte literária, oferecendo aos leitores de português um espaço mais rico e vasto», afirmou numa nota, a ministra da Cultura.

Para Graça Fonseca, a obra poética de Manuel Resende, «tão curta quanto intensa, é herdeira e próxima das tradições literárias surrealistas, mas a sua originalidade nunca se deixou limitar por movimentos e grupos».

«Os seus poemas demonstram um esforço de movimento e, também, de aprendizagem e abertura às influências porque, como o próprio dizia, “Aceito todas as influências. Afirmo-me com o que recebo”», observou.

Segundo a governante, «esta admiração pela escrita dos outros, na «procura de [se] exprimir e ser outro pela voz alheia” fez de Manuel Resende um dos grandes tradutores do país, que transpôs para a língua portuguesa autores de outras línguas e horizontes, como Brecht, Schnitzler, Kafka ou, mais recentemente, os “145 poemas” de Kaváfis, um trabalho de tradução extraordinário e um projeto de 15 anos de dedicação a esse gesto de partilha que é tornar-nos mais próximo o que outros escreveram».

Licenciado em Engenharia, que nunca exerceu, era apontado como um especialista em grego moderno, tendo sido uma das suas últimas traduções os poemas completos de Konstantínos Kaváfis.

Foi também tradutor de obras como "O Capital", de Karl Marx, e "A Caça ao Snark", de Lewis Carroll.

Trabalhou como jornalista durante seis anos, no Jornal de Notícias, e foi tradutor de instituições da União Europeia.

Literariamente estreou-se em 1983, com "Natureza Morta com Desodorizante".

Sobre este livro disse, «Dei-lhe esse título para não dizer coisa nenhuma. Foi o mais esquisito que consegui arranjar. Há naturezas-mortas com violinos, açucenas, frutas... A minha tem um desodorizante».

Na sua obra, destacam-se ainda "Em Qualquer Lugar" (1998) e "O Mundo Clamoroso, Ainda" (2004).


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ