ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Melgaço vai queimar o Entrudo, lembrando histórias do concelho
Revista PORT.COM • 15-Fev-2020
Melgaço vai queimar o Entrudo, lembrando histórias do concelho



No próximo dia 22 de fevereiro, os Farrangalheiros vão queimar o Entrudo em Melgaço. O momento pretende recordar as tradições e costumes que em tempos animavam Castro Laboreiro. As ruas vão encher-se de tradição, cor e muita folia.

Outrora, na vila C(r)asteja, o Entroido, era assim que os habitantes designavam o seu Carnaval, era uma das festas mais participativas da freguesia. Havia diversão de sábado a terça-feira, com bailes e mascarados dispersos por vários recantos da vila.

Não faltava o tradicional cozido à portuguesa e doces típicos. Tiros, bombas e foguetes anunciavam a festa. Nessa altura, os Farrangalheiros saíam à rua, trajados a rigor: homens e mulheres vestiam o tradicional saiote castrejo tipicamente vermelho bordado e/ou decorado com cores garridas, as blusas e o lenço amarelo.

O traje era composto pelo garruço, o objeto mais representativo do Entroido C(r)astejo: chapéus de cartão decorados com fitas e enfeites garridos que congregam uma renda que encobre o rosto dos Farrangalheiros.

No próximo dia 22, Melgaço vai recordar alguns destes momentos. A partir das 17h00, vários grupos desfilarão pelas ruas de Melgaço rumo ao Largo Hermenegildo Solheiro, mostrando as suas máscaras e fantasias, onde o principal critério de avaliação será a “Identidade Cultural da Região (Melgaço e territórios transfronteiriços próximos)”, numa lógica de promoção da identidade territorial e da cultura local.

O cortejo finda com o concurso “Mascarados”, mas o ponto alto da festa será a queima do Entrudo, o boneco vestido de roupas velhas: o ato representa a expulsão de todos os males e a purificação das mentes, mas dizem os populares que este momento simboliza também o desejo de que o inverno acabe e que a primavera comece.

A Junta de Freguesia da U.F. de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro, em conjunto com a Biblioteca castreja, estão a promover oficinas para ultimar os preparativos: a comunidade local, a mais idosa, ainda se recorda de todo o processo de construção dos garruços.


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
O Festival das Migrações, Culturas e Cidadania
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ