ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Voltaram as ostras do Sado
Revista PORT.COM • 05-Fev-2017
Voltaram as ostras do Sado



A memória de um produto que há algumas décadas fazia furor em Paris não se perdeu, ao contrário da restante produção nacional de ostras.

No século XIX, o estuário do Tejo era o maior banco natural de ostras da Europa e o estuário do Sado não lhe ficava muito atrás. Os mercados francês e inglês absorviam a maior parte da produção. Portugal chegou a exportar mais de 7 000 toneladas por mês.

Até meados do sec XX, a ostra setubalense chegou a empregar 4 000 pessoas na época da apanha, originando inclusive a formação de localidades, como é o caso do Faralhão. O progresso permitiu a implantação de estaleiros navais no Tejo e no Sado.

Ironicamente, estes estaleiros foram os responsáveis pela destruição das colónias de moluscos dos dois rios, incluindo as ostras. As tintas “antivegetativas” utilizadas nos casos dos navios continham um composto nocivo para a vida marinha.

Na atualidade, as ostras do Sado, estão a ressurgir graças a uma parceria da Universidade Nova de Lisboa com uma empresa de aquicultura. O projeto desenvolvido utiliza as capacidades biofiltrantes das ostras para conduzir a produção de forma sustentada.

As águas do Sado são tão ricas em nutrientes que em apenas oito meses as ostras de aquicultura atingem o tamanho comercial, processo que em França demora dois anos. Este processo permite que “Les Portugaises”, nome com que as ostras estão registadas, voltem a ter o sabor e a textura que tantos consumidores cativou por todo o mundo.


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ