ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Sericaia: o doce alentejano com 'marcas' dos descobrimentos portugueses
Revista PORT.COM • 26-Jan-2019
Sericaia: o doce alentejano com 'marcas' dos descobrimentos portugueses



Há quem diga que a sericaia é oriunda da Índia e outros que vem do Brasil – o que se sabe ao certo é que esta receita foi implementada no Alentejo.

A Sericaia, também conhecida por Sericá ou Cericá, é um doce tipicamente alentejano, com marcas da doçaria conventual – em que há uma abundante utilização de ovos e canela. Há quem diga que a sericaia é oriunda da Índia e outros que vem do Brasil – o que se sabe ao certo é que esta receita foi implementada no Alentejo pelas mãos habilidosas das freiras do convento de Elvas e de Vila Viçosa, reclamando ambos para si os direitos da sua importação.

Umas deram-lhe o nome de Sericaia e outras de Sericá, sendo que a tradição está mais ligada a Elvas, onde o doce é decorado com as famosas ameixas da região.

O toque da canela e a textura fofa fazem deste doce uma verdadeira delicia. No entanto, o segredo deste doce conventual, mais do que os ingredientes utilizados, está na forma de o deitar, num prato de estanho ou barro, às colheradas desencontradas. Ao cozer a sericaia, esta deverá abrir gretas à superfície, dando-lhe o seu aspeto característico.

Ingredientes:

• 1 limão,
• 1 litro de leite,
• 1 pau de canela,
• 1 pitada de sal,
• 12 ovos (claras e gemas separadas),
• 150 g de farinha de trigo,
• 500 g de açúcar,
• Canela em pó q.b..

Confeção:


Ligar o forno a 225.° C.

Levar o leite a ferver, juntamente com a casca de limão, o pau de canela e sal. Retirar do lume quando estiver pronto e deixar arrefecer. Entretanto, bater muito bem as gemas com o açúcar até obter um creme fofo.

À parte, dissolver, aos poucos, a farinha no leite, juntar o creme de gemas e açúcar e, mexendo sempre, levar a engrossar em lume brando.

Retirar do calor, tirar a casca de limão e o pau de canela e deixar arrefecer.

Bater as claras em castelo bem firme e incorporá-las, cuidadosamente, no preparado anterior, que deverá estar frio ou morno.

Levar ao forno o tradicional prato de barro, fundo e largo, para aquecer.

Deitar o creme no prato em colheradas desencontradas — uma no sentido do centro para as bordas do prato e a outra atravessada.

Polvilhar, abundantemente, com canela e levar a cozer durante cerca de 1 hora. Verificar, no entanto, a cozedura fazendo o teste do palito — se este sair seco, colocando-o no centro do doce, a sericaia está pronta.

Não se esqueça de a acompanhar com uma ameixa de Elvas e delicie-se com esta maravilha da gastronomia portuguesa.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A CPLP mais perto das pessoas
Francisco Ribeiro Telles
Secretário Executivo da CPLP
Gestão multicultural das equipas
António Cunha Meneses Abrantes
Professor Auxiliar na ICN Business School de Nancy
Já se ouve o Fado na Eslovénia
João Pita Costa
Editor da revista luso-eslovena Sardinha
DISCURSO DIRETO
Memórias e recordações da emigração portuguesa na Alemanha
Daniel Bastos
PORTUGAL
«Existe muita exploração laboral perpetrada por portugueses»
Luísa Semedo
FRANÇA
«Mercado chinês tem potencial para as empresas portuguesas»
José Augusto Duarte
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ