ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Colóquio da Diáspora destaca a importância do artesanato nacional na FIA
Revista PORT.COM • 01-Jul-2017
Colóquio da Diáspora destaca a importância do artesanato nacional na FIA



O Colóquio da Diáspora do Projeto Tradição Lusa, promovido pela AASE – Associação de Artesãos da Serra da Estrela, decorreu na passada quarta-feira, em Lisboa.

Inserido na Feira Internacional de Artesanato (FIA), o colóquio teve como principal objetivo promover os produtos regionais da região Centro de Portugal através da implementação de um plano estruturado que pretende fomentar a internacionalização nas empresas da região centro.

A sessão foi coordenada por João Amaral, presidente da AASE - associação representante da Federação Portuguesa de Artes e Ofícios para a Região Centro -, e contou com os testemunhos de profissionais que estão a trabalhar em mercados internacionais: Rui Garcia, diretor de Negócio Internacional  da Caixa Central de Crédito Agrícola (Mercado Suíço e Feira de Montreux), Elise Prudente, responsável comercial da Feira de LYON (Mercado Francês e Feira de Lyon), Patrícia Marcelino, diretora executiva da PM Excel Group  (Mercado Britânico e Feira "Portugal International" – London), João Censi, representante da Feira do Dubai (Mercado Árabe (EAU) e Feira do Dubai) e Roberta Roffi, representante da GEFI (Mercado Italiano e Feira de Artesanato de Milão).

“Os resultados que estamos a atingir, na divulgação do nosso artesanato e, em particular, da criação de condições para que os nossos artesãos tenham uma presença forte com o grau de qualidade que é percetível na FIA, se deve muito a esta relação de parceria e de cumplicidade” com a AASE, referiu Pedro Machado, presidente da Turismo Centro de Portugal, na sua intervenção.

Destacando a importância do mercado nacional, Pedro Machado deu também destaque à importância de captar novos mercados, “desde logo no mercado francês, que entre 2016 e 2017 foi o mercado que mais cresceu do ponto de vista da emissão de turistas para a região Centro, mas também no mercado italiano e no mercado inglês [entre os cinco mercados principais] que são dois mercados onde nós queremos fazer uma aposta crescente”. 

O presidente da Turismo do Centro deu ainda destaque à importância de aliar, num trabalho conjunto de promoção e valorização da atividade económica que está associada ao artesanato, a possibilidade de solidariedade, relembrando o infortúnio que aconteceu em vários concelhos do Centro, devido aos incêndios. 

“A Região Centro, que tem a rede das aldeias de xisto, das aldeias históricas e muitos produtos que estão enraizados no coração do país, precisa hoje que os portugueses e os estrangeiros não deixem de visitar o Centro de Portugal”, ressalvou, pedido sobretudo aos três mercados presentes no colóquio, “muito importantes para o Centro de Portugal, que nos ajudem a ultrapassar rapidamente este momento de dificuldade”.

“No boletim de abril de 2017, a Região Centro cresceu 37% em hospedes. É a maior cifra do ponto de vista nacional. O que queremos é que este destino se traduza em captação e distribuição de riqueza. Se o artesanato estiver na linha da frente daqueles que podem melhorar a sua performance, aumentar os seus negócios e aumentar o seu rendimento, ficamos muito satisfeitos que assim possa acontecer”, concluiu.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
ENTREVISTA
Luís Faro Ramos, Presidente do Camões I.P.
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ