ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Revista PORT.COM • 13-Jul-2017
"Turismo em Portugal tem um futuro risonho"



O "Turismo em Portugal tem um futuro risonho", conclui um relatório apresentado na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa (EHTL), que antevê oportunidades e perigos para o setor, numa perspetiva a 20 anos.

Com o título "Futurismo: O Petróleo Nacional, Turismo em Portugal em 2037", este trabalho surge porque "Portugal precisa urgentemente de pensamento a longo prazo", segundo os nove autores, que formam o grupo MESA37.

O documento menciona um cenário futuro que incluirá a ascensão do Oriente, o aumento e envelhecimento da população, mais preocupações ambientais e energéticas, o crescimento do clima de insegurança e mudanças nas instituições, no qual o "Turismo em Portugal tem um futuro risonho".

"Será uma atividade ainda mais importante para a economia portuguesa nos próximos 20 anos, se não cometermos muitos erros e se não tivermos grande azares", lê-se no estudo, que perspetiva nos próximos 20 anos "mais turistas, de mais origens, que ficam mais tempo e despendem mais dinheiro".

Assim, haverá maior riqueza para o país, "mais impostos, mais postos de trabalho, maior aproveitamento dos recursos e das regiões e ainda maior qualidade de vida para os residentes".

Entre a lista de argumentos para justificar as suas perspetivas está o aumento de turistas, nomeadamente por crescer a população, e o aumento da classe média em países do Oriente, como a China e a Índia.

As oportunidades perante o cenário passam por captar rotas do Oriente, "de forma direta e indireta, usando canais sobre o território africano", e a transformação do país na "Florida da Europa", no sentido de captar reformados europeus, através de "boas infraestruturas aeroportuárias, boa internet, segurança, apoio médico e preços de habitação acessíveis".

Entre o que pode correr mal, os autores do estudo enumeraram o bio e o ciberterrorismo, redução da liberdade de circulação na União Europeia, guerras, problemas em ligações aéreas, colapso dos sistemas de segurança social e crise nas finanças públicas.

Quanto ao argumento de Portugal como destino seguro, o estudo apresenta como oportunidades a gestão da imagem com medidas indiretas como o fim das Forças Armadas, com reforço dos meios eletrónicos e forças de intervenção de grande mobilidade, e inovação na forma de lidar com os incêndios.

À questão sobre o que pode correr mal, o documento responde com as hipóteses de terrorismo, cataclismos naturais, incêndios, alterações climáticas, instabilidade política e opções políticas erráticas, conflitos sociais e má gestão do território "com perda de identidade e qualidade ambiental".

Sobre a previsão de o setor ser ainda mais competitivo, os autores sublinharam a capacidade empreendedora e a existência de tecnologia, assim como diversificação de tendências turísticas e as oportunidades no setor hoteleiro e na restauração, prevendo que as agências de viagens se transformem em produtoras de conteúdos.

Neste capítulo são apresentados os desafios da automação e aumento dos custos, cuja resposta deve passar pelo foco na criação de valor, primado ao cliente e melhoria continuada de produtos e serviços.

No que pode correr mal, é elencada nomeadamente subida de preços, afunilamento da oferta ou perda da identidade.

O grupo MESA37 integra Ana Moreira, Diretora da EHTL, Ana Borges, Manuel Carvalho, Rui Pereira e Filipa Jordão, professores da EHTL, Filipe Pires e João Cruz, gestores, Luís Carvalho, urbanista e professor universitário, Paulo Vaz, diretor da Escola de Hotelaria do Douro-Lamego.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
ENTREVISTA
Luís Faro Ramos, Presidente do Camões I.P.
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ