ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

imagem
Revista PORT.COM • 11-Ago-2017
INE revê em alta resultados do Turismo em 2016



Portugal teve, em 2016, 21,3 milhões de hóspedes, um recorde absoluto da atividade turística nacional e que representa um crescimento de 11,1% face a 2015. O número faz parte dos dados definitivos referentes a 2016 publicados pelo INE e que revê em alta alguns dos indicadores até agora conhecidos.

Além do número de hóspedes, o Turismo de Portugal destaca as dormidas que atingiram os 59,4 milhões (mais 11,6% face ao ano anterior) e os proveitos totais que foram de 3,1 mil milhões de euros, “o que espelha um aumento de 18,1%, reforçando uma das principais metas deste governo: crescer mais em valor do que em número de hóspedes”.

Os números agora publicados incluem, além da hotelaria, o turismo em espaço rural e de habitação e ainda o alojamento local com mais de 10 camas.

Os residentes em Portugal foram responsáveis por 17,5 milhões de dormidas (+7,8 do que em 2015), que representa 29,4% do total e os estrangeiros por 41,9 milhões, correspondendo a 70,6% do total de dormidas.

O crescimento fez-se sentir em todas as regiões, reforçando os resultados das políticas desenvolvidas para alargar a atividade turística a todo o território, destacando-se, no entanto, a evolução acumulada acima da média das dormidas nos Açores (+28,5%), no Norte (+14,1%) e na Madeira (+12,8%). Em termos de proveitos, os Açores foram igualmente a região que mais cresceu (+30,2%), seguindo-se o Norte (+22,9%), o Algarve (+20%), o Alentejo (+17,6%) e o Centro (+15,5%).

A taxa de sazonalidade situou-se, em 2016, nos 48,2%, tendo descido 1% face a 2015.

A nível internacional, o principal mercado emissor em 2016 foi o Reino Unido (9,5 milhões de dormidas), seguido da Alemanha (5,8 milhões), da França (4,4 milhões) e a Espanha (4,3 milhões). 

Assistiu-se em 2016 a uma maior diversificação de mercados emissores, entre os quais se destacam os aumentos dos EUA (+23%), a Polónia (+20,3%), a França (+20%), a Suíça, (+19,1%) e o Brasil (+14,9%).

Em termos de receita, o mercado francês foi o que mais gastou (2,27 milhões de euros), seguindo-se o mercado do Reino Unido (2,26 milhões de euros) e Espanha (1,6 milhões de euros).


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Osnabrück – Cidade da Paz
Wolfgang Griesert
Presidente da Câmara Municipal de Osnabrück (Alema
Emigração e remigração: novas formas de mobilidade em Portugal
Daniel Bastos
Historiador
Pela valorização do ensino da história da emigração portuguesa
Paulo Prisco
Deputado do PS eleito pelas comunidades
DISCURSO DIRETO
Bélgica, país de contrastes onde adoram portugueses
Catarina Moleiro
BÉLGICA
O mundo é pequeno, a China não
Miguel Madeira
CHINA
Num ano em França, tudo mudou!
Rita Sarmento
FRANÇA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ