ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

imagem
Revista PORT.COM • 09-Out-2017
Promotores turísticos britânicos e irlandeses visitam Portugal em outubro e novembro



O congresso da Associação das Agências de Viagens Britânica começa na hoje em Ponta Delgada, o primeiro de quatro reuniões de promotores turísticos do Reino Unido e da Irlanda em Portugal, mobilizando perto de 1.500 profissionais em sete semanas.

O congresso anual da ABTA decorre durante três dias no Teatro Micaelense, organizado pela Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que disputou com sucesso com outros dois destinos.

Noel Josephides, presidente da organização britânica, é também o presidente da Sunvil, uma agência de viagens pioneira que organiza viagens para o arquipélago deste 1990.

"As ilhas dos Açores são uma localização verdadeiramente deslumbrante, uma das últimas áreas selvagens intocadas do mundo, com paisagens bonitas modeladas profundamente pelo Oceano Atlântico", disse na altura, elogiando Ponta Delgada pela arquitetura e gastronomia.

A ABTA tem cerca de 1,200 associados que vendem viagens e pacotes de férias no valor de 33 mil milhões de libras anualmente (37 mil milhões de euros), e para este evento vai mobilizar 500 agentes, jornalistas e outros profissionais relacionados com a indústria, que vão discutir em Portugal "O Próximo Capítulo".

No centro das discussões vão estar os desafios dos próximos anos, tendo em conta a volatilidade económica e a instabilidade política mundial, como o terrorismo, o Brexit e a política externa norte-americana, mas os participantes também vão ter oportunidade de visitar as atrações turísticas da ilha.

Logo nos quatro dias seguintes, de 12 a 14 de outubro, chegam mais cerca de 150 profissionais pela Associação de Agências de Turismo da Irlanda ao Porto (ITAA), para a conferência anual, que vai discutir também o impacto do terrorismo internacional, instabilidade política e acidentes climáticos extremos.

Viagens pela região, incluindo aos campos de golfe, estão no programa da ITAA, que representa um mercado importante: segundo o Instituto Nacional de Estatísticas, o número de turistas irlandeses aumentou 20% de janeiro a abril de 2017 face ao mesmo período do ano anterior, sobretudo em Lisboa e Porto.

Cormac Meehan, presidente da ITAA, uma organização com perto de 100 membros, disse que esta conferência permite aos membros conhecer melhor e experiência a cidade.

"Com seu clima fabuloso, comida e vinho divinos e habitantes carismáticos, é fácil ver por que é que Portugal continua a ser um dos principais destinos dos turistas irlandeses", vincou, num comunicado.

Nos dias 08 a 11 novembro, será a vez da conferência do grupo Thomas Cook, uma das mais antigas empresas de turismo no Reino Unido fundada em ainda no século XIX, que movimenta anualmente 7,8 mil milhões de libras (8,7 mil milhões de euros).

O grupo emprega 22.000 funcionários e opera em 16 países e tem a sua dimensão refletida pelo facto de as suas ações negociarem na Bolsa de Valores de Londres.

Para o Algarve vão viajar 660 colaboradores da Thomas Cook, que não revelou mais informação sobre o evento.

Por fim, entre 23 e 26 de novembro, chegam a Évora cerca de 150 profissionais ligados à Associação de Agências de Turismo Independentes do Reino Unido.

A temperatura amena, mesmo no final de novembro, a riqueza histórica e a variedade de atividades físicas disponíveis na região atraíram a AITO, cujos 122 associados se especializam em pacotes personalizados associados a experiências e descobertas.

Gemma Antrobus, da AITO, considera que o Alentejo, região que apelida de "Provença ou Toscânia de Portugal", tem um grande potencial para os pequenos operadores britânicos.

"A realização de eventos é um dos ativos estratégicos do turismo nacional e uma prioridade para o Turismo de Portugal, com o objetivo de projetar a imagem do país nos mercados internacionais", referiu Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, cuja delegação no Reino Unido mediou na relação com as diferentes entidades.

O Reino Unido e a Irlanda são dois dos mais importantes mercados emissores de turistas em Portugal e caracterizam-se por muitas das viagens ainda serem reservadas através do canal de venda dos Operadores e dos Agentes de Viagens.

"O facto destas entidades escolherem Portugal para realizar os seus eventos anuais demonstra a crescente notoriedade, na Europa e no mundo, do nosso país enquanto destino turístico”.

Segundo as estatísticas relativas ao período de janeiro a abril de 2017, houve um aumento de 9% em número de hóspedes britânicos e de 13,5% do volume de receitas face ao período homólogo de 2016.

Em 2016, o Reino Unido representou o segundo país que gerou mais receitas do turismo, 2.267 milhões de euros, apenas atrás dos franceses, que gastaram 2.277 milhões de euros, segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal e citados pela Secretaria de Estado do Turismo.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Emigração, Economia e Participação Política em Portugal
Daniel Bastos
Historiador
PSD recomenda ao Governo a criação de um Programa Especial de Apoio a Portugueses
José Cesário
Deputado do PSD
As relações económicas têm uma dimensão humana importante
Kirsty Hayes
Embaixadora do Reino Unido em Portugal
DISCURSO DIRETO
'O Estado abandonou o país rural'
Nádia Piazza
PORTUGAL
'Temos uma dívida de gratidão para com os nossos emigrantes'
José Maria Costa
PORTUGAL
José Redondo e a paixão pelo râguebi
José Redondo
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ