ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

«Existe muito mais no Centro do que aquilo que ardeu»
Revista PORT.COM • 19-Jul-2018
«Existe muito mais no Centro do que aquilo que ardeu»



A obra teve coordenação de Antónia Correia, diretora da Faculdade de Turismo e Hospitalidade da Universidade Europeia, Pedro Barbas Homem, reitor da Universidade Europeia, e prefácio da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, tendo como objetivo «definir estratégias para a valorização do centro do país como destino turístico após os incêndios florestais do ano de 2017».

O livro "Turismo no Centro de Portugal: Potencialidades e Tendências", que reúne textos inéditos de 17 entidades da região, nomeadamente empresas, universidades e institutos politécnicos, foi apresentado em Coimbra.

Antónia Correia defendeu que o «mérito deste livro é de todos os colegas que retrataram, com carinho e paixão pelo nosso Portugal, as características de uma região onde vivem e que os apaixona».

A autora fez questão de realçar que «existe muito mais no Centro do que aquilo que ardeu e há coisas no Centro que nunca vão arder». Este livro, continuou, «é um voto de esperança. Vamos esquecer os rankings e trabalhar para o desenvolvimento daquilo que é nosso».

«Os incêndios de 2017 forma um tremendo evento na história de Portugal, que não deve ser esquecido. […] Que este livro ajude a manter a memória viva do que se passou», disse Pedro Barbas Homem durante a sua intervenção.

Na apresentação do livro, Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, recordou que «2017 foi o ano de maior crescimento de que há memória no centro», em dormidas e visitantes, apesar dos incêndios de junho e outubro, que provocaram prejuízos de milhões de euros de prejuízos, deixando mais de 100 mortos e 500 mil hectares de área ardida.

«O Centro cresceu acima da média nacional, com uns espantosos 14,7% em relação ao período homólogo do ano anterior», revelou. No resto do país, a tendência foi também de crescimento, mas a taxa de crescimento rondou metade da do Centro (7,4%).

Para este comportamento do setor turístico no Centro contou o fluxo de visitantes atraídos pelas celebrações do Centenário das Aparições, no Santuário de Fátima. O acontecimento religioso permitiu ainda reforçar outra tendência dos últimos anos: a presença de turistas oriundos de novos mercados, sobretudo Brasil, Estados Unidos da América e países asiáticos, como a Coreia do Sul.

Outro dos segredos do sucesso do turismo em ano de incêndios foi o facto de as chamas terem poupado a maior parte das infraestruturas do setor. «Só houve três ou quatro perdas completas», explicou Machado.

A grande tarefa da Turismo Centro de Portugal acabou por ser o combate ao sentimento de insegurança, que levou à anulação de um enorme número de reservas nos primeiros dias após os incêndios. Um combate travado com o recurso a campanhas nacionais e internacionais, que apontavam para uma diversificação do produto. Para além do sol e praia, houve uma aposta no turismo cultural e religioso que tem vindo a dar frutos, reconheceu Machado.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
As vivências da emigração portuguesa nos palcos do teatro
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ