ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Madeirense vai dar a volta ao Mundo sozinho num veleiro e volta em 2022
Revista PORT.COM • 29-Jan-2019
Madeirense vai dar a volta ao Mundo sozinho num veleiro e volta em 2022



Henrique Afonso vai recriar a epopeia do ‘Vinho da Roda’ num barco com 9 metros de comprimento. A ideia é regressar daqui a três anos e ancorar na Festa da Lapa, no Paul do Mar.

O madeirense Henrique Afonso iniciou, no passado dia 15 de janeiro, uma volta ao mundo a bordo de um veleiro e, nos próximos dias, vai dezenas de brinquedos às crianças de Cabo Verde.

Além dos brinquedos, o navegador solitário, natural do Funchal, leva também consigo 200 litros de Vinho da Madeira, com o objetivo de recriar a epopeia do ‘Vinho da Roda’.

“Saio daqui rumo a Canárias, depois passo, provavelmente, por Cabo Verde e tenho de estar em março no Panamá, no Oceano Pacífico. E a partir daí será tudo novo para mim, uma descoberta. Sei lá onde vou parar, vou navegando...”, disse ao Diário de Notícias da Madeira.

A primeira paragem de Henrique foi em Santa Cruz de Tenerife, nas Ilhas Canárias, de onde zarpou, no dia 27, rumo à Ilha de São Nicolau, em Cabo Verde, onde deverá ancorar dentro de uma semana, caso o vento e as marés ajudem, numa distância que irá rondar as 835 milhas náuticas, conta o jornal diário.

A viagem, que decorre num veleiro com nove metros de comprimento, apelidado de ‘Sofia do Mar’, irá terminar em 2020 e pode ser acompanhada na conta de Facebook Diário do Pirata.

 

O que é o ‘Vinho da Roda’?

O denominado ‘Vinho da Roda’ surgiu no século XVII, nas escalas rumo à Índia, quando esta rota se tornou um dos principais mercados para a produção vinícola insular.

Aí, constatou-se que durante o transporte para aquela zona a sua qualidade melhorava quando chegava à Europa, visto que nos porões dos navios as temperaturas atingiam níveis elevados na passagem pelos trópicos.

Esta evidência fez com que o Vinho Madeira passasse a ser enviado para as Índias apenas com esse objetivo, assegurando uma fama sem precedentes, sobretudo na Inglaterra onde a sua comercialização atingia preços elevados, o que levou os produtores a fazerem investimentos na estufagem, uma técnica que é utilizada ainda hoje pelos produtores, na Região.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ