ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

CTP: Mais de 90% das empresas do turismo terão «vendas zero» em abril e maio
Revista PORT.COM • 31-Mar-2020
CTP: Mais de 90% das empresas do turismo terão «vendas zero» em abril e maio



Segundo o presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP) a crise relacionada com a covid-19 atacou o setor de forma «extremamente violenta» antecipando que «mais de 90% das empresas» terão «vendas zero» em abril e maio.

“É difícil atribuir um número” ao impacto da pandemia do novo coronavírus no turismo devido à dimensão das atividades ligadas ao setor, começou por dizer o presidente da CTP, Francisco Calheiros, aos jornalistas no final de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em Belém.

Francisco Calheiros sublinhou, no entanto, que a crise da covid-19 atacou o turismo “de uma forma extremamente violenta”, apontando que os números de março “variam de empresa para empresa” com quedas de “30, 40 ou 50%”.

“Agora, em abril e maio, não variam muito: mais de 90% das empresas têm vendas zero”, rematou o presidente da CTP.

Para Francisco Calheiros, as medidas dirigidas às empresas anunciadas pelo Governo de combate à pandemia como o ‘lay-off’ simplificado ou as linhas de crédito “têm todas tido um problema: estão muito lentas a chegar à economia”.

“As medidas de 1,7 mil milhões de euros, os 900 milhões para o turismo em geral e hotelaria, os 600 da restauração e os 200 milhões das agências de viagens e animação turística ainda não estão minimamente nos bancos”, afirmou o líder da confederação patronal, acrescentando que “nem vão estar amanhã nem depois”.

A audiência do Presidente da República à CTP insere-se numa ronda de reuniões com os vários parceiros sociais sobre as consequências da pandemia da covid-19.

Questionado se seria desejável um Governo mais forte do que o atual executivo minoritário para enfrentar o problema da futura crise econômica, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a defender que a prioridade neste momento é a crise sanitária para a qual existe “unidade nacional”.

No final de audiências com a Confederação do Turismo Português, Marcelo Rebelo Sousa foi questionado se Portugal precisará de um governo de salvação nacional, depois de no domingo o líder do PSD, Rui Rio, ter dito que, após o fim da pandemia da covid-19, “o Governo que vier será de salvação nacional” – ainda que seja o mesmo – para responder aos efeitos da crise econômica.

“Isso é a mesma coisa que falar nas presidenciais, é o que se chama congeminar sobre um futuro longínquo”, começou por afirmar o chefe de Estado.

“Temos o Governo que temos, temos a unidade nacional no parlamento que temos, temos a prioridade que temos: é resolver este problema. Estar a imaginar o que se vai passar depois de um processo em curso é um exercício puramente especulativo”, disse.


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
A sua atitude de confiança conta: não só com o vírus...
Susana Cor de Rosa
Consultora empresarial
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ