ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Paleoantropóloga portuguesa questiona estudo sobre origem dos humanos
Revista PORT.COM • 27-Mai-2017
Paleoantropóloga portuguesa questiona estudo sobre origem dos humanos



A professora do Instituto de Antropologia Cognitiva e Evolutiva da Universidade de Oxford assinalou que, tanto do ponto de vista genético como do registo de fósseis, as raízes humanas estão em África.

A paleoantropóloga portuguesa Susana Carvalho colocou reservas sobre um estudo internacional que concluiu que as origens dos humanos remontam a 7,2 milhões de anos, mais cedo do que se calculava, e estão na Europa e não em África.

A investigadora e professora da Universidade de Oxford, no Reino Unido, disse à Lusa, numa referência aos fósseis que foram analisados no estudo, que "o material é extremamente pobre" para se chegar a essa conclusão.

O estudo, publicado esta semana na revista científica PLOS One, defende que a separação entre os grandes símios - de que os chimpanzés são o exemplo mais próximo do Homem - e os humanos aconteceu há 7,2 milhões de anos, 200 mil anos antes do estimado anteriormente, e na Europa, mais concretamente no Mediterrâneo Oriental, e não em África, como tem prevalecido.

Os autores da investigação suportam esta conclusão numa análise mais pormenorizada de dois fósseis descobertos anteriormente na Bulgária e na Grécia - um de uma mandíbula inferior e outro de um dente pré-molar superior - atribuindo-os a uma nova espécie de pré-humano, o "Graecopithecus freybergi".

Para Susana Carvalho, a espécie em causa é apenas um símio, "diferente de outros símios", e os fósseis não fornecem qualquer informação sobre "as características fundamentais que definem um hominini", que são a "locomoção parcialmente bípede" e a "redução do tamanho dos caninos".

Os hominini são o ramo evolutivo que deu origem ao Homem atual, enquanto os hominídeos são o ramo evolutivo a que pertencem os grandes símios da atualidade.

A teoria de que as origens humanas estão na Europa e que terá havido uma migração para África "não é absurda", disse a especialista portuguesa no estudo de fósseis de hominini, mas "não existe uma validação empírica", ressalvou.

"Precisávamos de ter fósseis mais completos, pelo menos um crânio parcial, para se ter alguma indicação mais concreta sobre a locomoção e a dieta", disse, acrescentando que até à data não há registo sequer de hominini na Europa num período mais tardio, entre os sete milhões de anos e os 1,8 milhões de anos.

De acordo com Susana Carvalho, "o interessante" no estudo publicado na PLOS One é que os fósseis indiciam que havia "uma diversidade muito maior de símios" antes de os hominini surgirem.

Os primeiros hominini, como o "Sahelanthropus", que surgiu no Chade há entre sete a seis milhões de anos, e apontado como o mais antigo, "evoluíram no continente africano", sustentou.

A equipa internacional de investigadores que conduziu o estudo divulgado na PLOS One datou os dois fósseis com base em sedimentos geológicos e analisou-os com tomografia computorizada, tecnologia que fornece uma imagem processada em computador depois da exposição de um corpo a uma sucessão de raios-X.

Os peritos - da Alemanha, da Bulgária, da Grécia, do Canadá, de França e da Austrália - conseguiram visualizar as estruturas internas dos fósseis e concluíram que as raízes dos pré-molares do "Graecopithecus freybergi" estão fundidas, uma característica que atribuem aos homens modernos e aos hominini, incluindo os "Ardipithecus" e os "Australopithecus".

A mandíbula inferior tem características adicionais de raízes dentárias que sugerem, de acordo com o grupo de cientistas, que a espécie "Graecopithecus freybergi" pode pertencer à linhagem pré-humana.

Susana Carvalho considera que "a fusão das raízes pré-molares é uma característica que tem bastante variabilidade", pelo que não é suficiente para comprovar a tese de que o "Graecopithecus freybergi" é um hominini, apesar de a datação dos fósseis "ser válida".

Para um dos coautores da investigação e paleoantropólogo da Universidade de Toronto, David Begun, citado num comunicado da instituição, "a datação permite direcionar a divisão entre chimpanzés e humanos para a zona do Mediterrâneo".

A investigadora portuguesa assume como igualmente válida "a reconstrução ambiental de parte da Europa há sete milhões de anos", na época geológica do Mioceno.

Um dos líderes da equipa internacional, a paleoantropóloga Madelaine Böhme, da Universidade de Tübingen, na Alemanha, advoga que "a formação incipiente de um deserto no norte de África [o Saara] há mais de sete milhões de anos e a disseminação de savanas no sul da Europa podem ter desempenhado um papel fulcral na divisão das linhagens dos humanos e chimpanzés".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Defender a União Europeia e os direitos de cidadania
Paulo Pisco
Deputado do PS
Saibamos aumentar a participação cívica das nossas comunidades
José Cesário
Deputado do PSD
O retrato dos votos da emigração
José Caria
Diretor-adjunto da PORT.COM
DISCURSO DIRETO
Dia de Portugal e 5.º aniversário da Revista PORT.COM
Marcelo Rebelo de Sousa
PORTUGAL
Língua portuguesa, um passaporte para o presente e para o futuro
Luís Faro Ramos, pres. do Camões I.P.
PORTUGAL
Função de grande responsabilidade e relevância social
José Luís Carneiro, SEC
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ