ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Robôs não tripulados capazes de patrulhar fronteiras têm assinatura portuguesa
Revista PORT.COM • 09-Jul-2018
Robôs não tripulados capazes de patrulhar fronteiras têm assinatura portuguesa



Com um custo total de 13,9 milhões de euros, o SUNNY foi financiado em 9,5 milhões de euros pela Comissão Europeia, no âmbito do programa de investigação e desenvolvimento FP7.

Fazer atualmente o patrulhamento de fronteiras em países mediterrânicos, envolve, em alguns cenários, uma aeronave isolada com sensores que não são processados a bordo.

Com o objetivo de aumentar a segurança fronteiriça para controlo de migrações e, sobretudo, combater o crime que ocorre nestas travessias, a União Europeia financiou em quase 10 milhões de euros o projeto SUNNY que visa criar robôs não tripulados (drones) com a capacidade de patrulhar essas fronteiras.

De acordo com a informação enviada para a PORT.COM, o projeto SUNNY prevê o processamento de informação, a utilização de múltiplas aeronaves em conjunto no patrulhamento, um sistema de deteção, identificação e classificação automático, comunicações redundantes, ar-ar,ar-terra, um centro de comando e controlo único e aeronaves com voo autónomo com capacidade de integrar a perceção no loop de controlo.

O SUNNY é capaz de alterar o comportamento sensorial, de processamento ou trajetória das aeronaves, de forma automática, sem intervenção humana e em função do fenómeno que está a ser observado.

«O sistema integrado do SUNNY ainda não pode ser usado sem restrições, e aqui friso o ainda. Porém, os componentes de forma isolada já estão a ser comercializados. Dou o exemplo do sistema de imagem hiperspectralque foi produzido, que está a ser comercializado por uma empresa finlandesa ou o sistema de radar que está a cargo de uma empresa holandesa. No caso dos robôs, ou seja, as aeronaves, estão a ser comercializadas por uma empresa grega e há uma delas que pertence à Força Aérea Portuguesa», explica Hugo Silva, investigador sénior do Centro de Robótica e Sistemas Autónomos (CRAS) do INESC TEC.

No que diz respeito ao impacto que o SUNNY vai ter na vida dos cidadãos portugueses, Hugo Silva responde «projetos como o SUNNY não podem ser vistos com foco nos impactos no curto prazo, mas sim no longo prazo. O sistema que desenvolvemos é demasiado complexo do ponto de vista operacional para uma utilização imediata e, por isso, existe um caminho a percorrer em algumas das vertentes para que o sistema, como um todo, possa ser utilizado. No entanto, grande parte do trabalho desenvolvido já está a funcionar em ambiente o operacional e o que não está vai passar a estar brevemente». 

Pensando no caso português, a tecnologia desenvolvida pode ser aplicada para resolver outros problemas reais, como por exemplo os incêndios em Portugal, onde a utilização de drones para aplicações ambientais já está a ser estudada. É esse tipo de projetos que os investigadores do INESC TEC estão agora a tentar desenvolver.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ