ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Casaco tecnológico 100% português pode reduzir as taxas de fatalidade com peões
Revista PORT.COM • 17-Set-2018
Casaco tecnológico 100% português pode reduzir as taxas de fatalidade com peões



A tecnologia é 100% portuguesa e eco-friendly, assim como a sua produção e tem como objetivo diminuir o número de fatalidades existentes com peões, que em 75% dos casos ocorrem no escuro.

Chama-se MUSGO, e é o mais recente casaco iluminado destinado aos amantes de desporto, trabalhadores ou até mesmo peregrinos, que tem um sistema de iluminação inteligente com fibras óticas e dispõe de uma aplicação móvel para utilização em smartphone.

«O sistema de iluminação inteligente com fibras óticas que desenvolvemos aumenta a segurança dos utilizadores através da iluminação ativa e é “inteligente” graças ao recurso a sensores que existem num smartphone e que ajudam, por exemplo, a sinalizar a travagem de um ciclista ou informar um trabalhador que saiu da área de segurança», explica Filipe Magalhães, diretor científico e tecnológico da VIME, entidade que juntamente com as também empresas portuguesas SCOOP e LAPA são responsáveis por este novo conceito.

O casaco inclui uma série de outras características premium, tais como como um «bolso saudável» para isolar o corpo da radiação emitida pelo smartphone; uma «cauda rebatível» para evitar salpicos/sujidade na roupa de quem andar de bicicleta em condições de chuva; bolsos ventilados com fechos bidirecionais para regulação de temperatura e um painel respirável cortado a laser.

MUSGO é feito com um tecido que incorpora partículas de carvão ativado obtidas a partir de cascas de coco recicladas. As vantagens deste tecido? «Não se desgasta (pode ser lavado mais de 100 vezes sem comprometer a sua forma e estrutura), não vinca, seca 92% mais depressa do que o algodão e bastante mais rápido que outras fibras técnicas usadas em vestuário desportivo, elimina odores e bloqueia radiação UV», explica Filipe Magalhães.

O casaco está disponível a um custo de 287 dólares (o equivalente a cerca de 250 euros), na plataforma de crowdfunding Indiegogo, onde está a decorrer uma campanha nos próximos 30 dias com o objetivo de angariar cerca de 70 mil euros, e poderem entre outras questões, avançar com a produção industrial dos casacos e atingir uma relação de custo que permita colocar o produto no mercado a um preço competitivo.

Para além de Portugal, o casaco quer chegar aos mercados norte-americano, ao Canadá, Reino Unido e países do Norte e Centro da Europa, Holanda, Alemanha, Áustria, Polónia, Bélgica, Noruega, Suécia, Finlândia, países onde as horas de sol são reduzidas e, por isso, há maior procura deste tipo de soluções.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
Mar de Sonhos – a emigração nos vapores transatlânticos
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ