ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Especialista português vai fazer cirurgia ao vivo pela primeira vez em congresso internacional
Revista PORT.COM • 26-Set-2018
Especialista português vai fazer cirurgia ao vivo pela primeira vez em congresso internacional



Rodrigo Oliveira, coordenador do departamento de Cirurgia Bariátrica e Metabólica do Hospital da Cruz Vermelha, é o primeiro português a realizar uma cirurgia ao vivo, com uma das inovações cirúrgicas para o tratamento da obesidade.

Das cirurgias robóticas, à embolização vascular, passando pelas cirurgias feitas através de endoscopia, têm sido muitos e importantes os avanços cirúrgicos para o tratamento da obesidade.

Segundo o especialista, que tem dupla nacionalidade, «nos últimos 10 anos, têm surgido vários tratamentos com resultados excelentes. A gama de opções de tratamento invasivo, seja ele minimamente invasivo, até às cirurgias modernas, é muito grande».

Durante o congresso da Federação Internacional para a Cirurgia de Obesidade e Distúrbios Metabólicos (IFSO), que se realiza no Dubai até ao dia 29 de setembro, o português vai realizar uma cirurgia ao vivo, com uma das inovações cirúrgicas para o tratamento da obesidade.

O especialista vai ainda ser protagonista de um debate sobre as reintervenções na obesidade, ou seja, quando os doentes já operados voltam a recuperar o peso perdido.

O congresso realiza-se numa altura em que, de acordo com Rodrigo Oliveira, «já se entendeu que a obesidade não é apenas um problema de peso». Tanto que, hoje, a cirurgia destinada a tratar o problema deixa de ser conhecida como bariátrica, para passar a ser metabólica. «Fomos descobrindo, ao longo das últimas décadas e sobretudo dos últimos 10 anos, vários tratamentos, principalmente invasivos, tratamentos cirúrgicos com resultados excelentes para o tratamento da obesidade. Inovação que já estamos a usar no Hospital da Cruz Vermelha, onde as cirurgias são chamadas de metabólicas», acrescenta.

Aqui, aos cirurgiões juntam-se especialistas de várias áreas, desde a endocrinologia à nutrição. «Porque o facto só de operar não adianta. O doente tem que ser operado e depois ter um acompanhamento especializado. Mais ainda, se ele ficar gordo e tiver doenças metabólicas, pode vir a sofrer de cancro, pode perder a visão devido aos diabetes, pode ter que amputar uma perna, ter uma insuficiência renal e fazer diálise. Quer dizer, a perda dele é muito grande. E não é a operação que resolve tudo.»


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
O retrato dos votos da emigração
José Caria
Diretor-adjunto da PORT.COM
Momentos de partilha
Nuno Pinto Magalhães
Diretor de Relações Internacionais da SCC
O acervo bibliográfico sobre a emigração portuguesa
Daniel Bastos
Historiador
DISCURSO DIRETO
Dia de Portugal e 5.º aniversário da Revista PORT.COM
Marcelo Rebelo de Sousa
PORTUGAL
Língua portuguesa, um passaporte para o presente e para o futuro
Luís Faro Ramos, pres. do Camões I.P.
PORTUGAL
Função de grande responsabilidade e relevância social
José Luís Carneiro, SEC
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ