ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Satélite franco-chinês é lançado para estudar o clima
Revista PORT.COM • 30-Out-2018
Satélite franco-chinês é lançado para estudar o clima



A China anunciou nesta segunda-feira o lançamento histórico e bem-sucedido de um satélite construído pela primeira vez em colaboração com a França, um dispositivo que permitirá observar os oceanos e prever melhor tempestades e ciclones.

Segundo explicou a Administração do Estado para a Ciência, Tecnologia e Indústria da Defesa Nacional, o foguete Long March-2C descolou às 08H43 a partir da base de lançamento de Jiuquan (noroeste da China), com o CFOSAT ("China-France Oceanography Satellite") a bordo.

O satélite, de cerca de 650 kg, vai ter como objetivo estudar o vento e as ondas na superfície do mar 24 horas por dia, para ajudar a melhorar as previsões meteorológicas marítimas.

Além disso, vai servir para prever com maior precisão as fortes tempestades ou ciclones e permitir aos climatologistas compreender melhor as interações entre os oceanos e a atmosfera, que desempenham um papel fundamental no clima.

Concebido pelo Centro Nacional de Estudos Espaciais (CNES) francês e pela Administração Nacional Espacial (CNSA) chinesa, é dotado de dois radares: o SWIM francês (que mede a direção e comprimento das ondas) e o SCAT chinês (que analisa a força e direção dos ventos).

«É histórico. É a primeira vez que um satélite chinês é construído em cooperação internacional. E o facto de ter sido com a França demonstra a intensidade dos vínculos que temos com a China», disse à AFP Jean-Yves Le Gall, presidente do CNES.

Acrescentou ainda que «este satélite vai permitir avançar consideravelmente na compreensão da mudança climática».

Colocado em órbita a uma distância de 520 km da Terra, o satélite terá uma vida de três anos. É o primeiro que a França e a China construíram juntos e os dados que emitir serão coletados e analisados em estações terrestres localizadas nos dois países.

«É realmente um projeto no qual todos nós saímos a ganhar, tanto a França quanto a China. E, ao mesmo tempo, é um belo símbolo político», ressaltou Le Gall.

O projeto foi lançado em 2007. Também é realizado com o Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS), o Instituto Francês de Pesquisa para a Exploração do Mar (Ifremer) e o Instituto de Meteorologia da França.

A China investiu bilhões de euros em seu programa espacial. Pequim espera ter uma estação espacial habitada até 2022 e enviar um homem à Lua a médio prazo.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ