ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Português recebe prémio de 1,5 milhões criado pelo cofundador da Microsoft
Revista PORT.COM • 31-Out-2018
Português recebe prémio de 1,5 milhões criado pelo cofundador da Microsoft



É a primeira vez que o prémio ‘Allen Distinguished Investigator’ é atribuído a um investigador português.

O investigador Henrique Veiga-Fernandes, do Laboratório de Imunofisiologia do Centro Champalimaud, conquistou um prémio de 1,5 milhões de dólares (1,3 milhões de euros), criado pelo cofundador da Microsoft, Paul Allen, que morreu a 15 de outubro.

Segundo a fundação Champalimaud, o prémio ‘Allen Distinguished Investigator’ foi atribuído pelo trabalho desenvolvido sobre a forma como o sistema nervoso e o sistema imunitário interagem no corpo humano para o proteger das infeções.

O prémio, de periodicidade anual, destina-se a financiar pesquisas de «excecional criatividade e impacto potencial», destacando ideias e esforços pioneiros, em áreas de fronteira, com um impacto transformador em biomedicina.

Veiga-Fernandes realizou «estudos pioneiros que lhe permitiram identificar, com a sua equipa, unidades de células neuro-imunes em diversas partes do corpo», incluindo o intestino, os pulmões, a gordura e a pele, segundo a instituição.

«Trata-se de regiões especializadas onde os neurónios e células imunitárias se juntam e comunicam de forma a influenciar a maneira como o organismo responde a ameaças exteriores tais como vírus e bactérias», explica a fundação.

O montante do prémio destina-se a um projeto a três anos e financiará o desenvolvimento de duas novas técnicas que permitirão medir como se processa a interação e comunicação celular.

Henrique Veiga-Fernandes é investigador principal no Centro Champalimaud, estudou medicina veterinária em Lisboa e em Milão, doutorou-se em Imunologia em Paris e fez o pós-doutoramento em Londres. Em 2009, regressou a Portugal para fundar o seu próprio grupo de investigação no Instituto de Medicina Molecular, em Lisboa.

Os galardoados foram escolhidos por Paul Allen e um grupo de conselheiros científicos.

Além do português, foram também selecionados nove cientistas a trabalhar em oito projetos nos EUA e Canadá. Os projetos -- nas áreas do linfoma, das neurociências, do sistema imunitário, do envelhecimento, do desenvolvimento e da biologia fundamental -- recebem um total de 13,5 milhões de dólares (11,9 milhões de euros).


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A relação entre Portugal e a sua Diáspora...
José Luís Carneiro
Implicações políticas da participação eleitoral nas comunidades
Paulo Pisco
Deputado do PS
Porque não te calas?
José Caria
Diretor-Adjunto PORT.com
DISCURSO DIRETO
ENTREVISTA
Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades
PORTUGAL
ENTREVISTA
António Saraiva, Presidente da CIP
PORTUGAL
ENTREVISTA
Luís Faro Ramos, Presidente do Camões I.P.
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ