ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Investigação desenvolvida em Coimbra é o tema de capa da edição de agosto da revista internacional Cortex
Revista PORT.COM • 27-Jul-2019
Investigação desenvolvida em Coimbra é o tema de capa da edição de agosto da revista internacional Cortex



A investigação é sobre a forma como o cérebro funciona em rede e foi desenvolvida pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.

A Cortex é «uma das mais conceituadas publicações internacionais da área da neurociência cognitiva», afirma a Universidade de Coimbra (UC).

Intitulado ‘Action at a distance on object-related ventral temporal representations’, o artigo que faz capa da mais recente edição da Cortex resulta de um estudo feito pela equipa do Laboratório de Perceção e Reconhecimento de Objetos e Ações (Proaction Lab) da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da UC (FPCEUC), liderada por Jorge Almeida, com a colaboração do Departamento de Psicologia da universidade norte-americana Carnigie Mellon.

Seguindo a linha de investigação do projeto ContentMAP – que «procura estudar a forma como a informação é mapeada no cérebro humano» e que, em 2018, recebeu um financiamento de 1,8 milhões de euros do Conselho Europeu de Investigação – «o trabalho agora publicado demonstra o modo como o cérebro funciona como uma rede, partilhando informação de forma ultrarrápida», refere a UC.

Os investigadores verificaram que, «embora seja processada numa determinada área do cérebro, a informação visual que se adquire ao observar objetos, é gerida também em áreas fisicamente distantes», acrescenta.

«Esta descoberta é importante porque veio confirmar que o processamento da informação não é apenas local, mas sim global. Este processo depende de outras áreas mais afastadas que processam o mesmo tipo de informação», salienta, citado pela UC, Jorge Almeida.

Para além da coautoria do artigo, a equipa do Proaction Lab foi também responsável pela conceção da imagem que faz capa desta edição (volume 117) da Cortex, ilustrando «um modelo de cérebro constituído por fios (em que o elétrodo representa o estímulo e a luz é a resposta a esse estímulo, numa região afastada do cérebro)», detalha a UC.

«O conceito que melhor explica a nossa investigação é o do funcionamento do cérebro em rede, que está evidenciado na imagem pelos cabos eletrónicos que o constituem», explica ainda o investigador e diretor do Proaction Lab.

No estudo foram utilizadas «técnicas de neuroestimulação não-invasivas para temporariamente ativar uma área do cérebro», indica a UC, adiantando que, com recurso ao «método de ressonância magnética funcional», foram medidas «as respostas neuronais nas restantes áreas dessa mesma rede».

O modelo, conclui Jorge Almeida, «ilustra ainda que o local onde é feita a estimulação gera uma resposta numa zona mais afastada, demonstrando que as áreas estão conectadas».


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
Monumentos ao emigrante em Portugal
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ