ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Cientistas portugueses defendem medidas urgentes para captar água das chuvas
Revista PORT.COM • 29-Out-2019
Cientistas portugueses defendem medidas urgentes para captar água das chuvas



Cientistas da Universidade de Aveiro apelaram à implantação de medidas urgentes para captar e gerir a água da chuva, que vai diminuir de acordo com as previsões que efetuaram.

As previsões, realizadas na Universidade de Aveiro (UA), apontam para um cenário de escassez de água no ecossistema e, naturalmente, para consumo humano.

Face a esse cenário, os investigadores “apelam à implementação de medidas urgentes para, no futuro, melhor captar e gerir a água da chuva”, já que preveem que, entre 2046 e 2065, Portugal continental vai sofrer uma diminuição da precipitação média anual de 10% na zona norte e em todo o litoral e de cerca de 30% nas zonas interiores e no sul.

As previsões da precipitação foram realizadas pelo Departamento de Física da UA no âmbito do projeto “CLICURB-Urban atmospheric quality, climate change and resilience”, coordenado pelo Grupo de Emissões Modelação e Alterações Climáticas do Departamento de Ambiente e Ordenamento (DAO) da UA e financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Segundo Paula Quinteiro, coordenadora do estudo, “na atualidade já se identifica alguma pressão nos recursos de água da chuva que irá aumentar no futuro, dando a indicação de que em algumas situações, e dependendo dos requisitos de água necessários para garantir e maximizar o crescimento de vegetação, devem ser implementadas medidas de gestão/captação e eficiência de consumo dessa água”.

A investigadora, que assina o trabalho do CESAM juntamente com Sandra Rafael, Bruno Vicente, Martinho Marta-Almeida, Alfredo Rocha, Luís Arroja e Ana Cláudia Dias, defende a adoção de medidas como sistemas de recolha de água da chuva “por forma a garantir a respetiva disponibilidade para irrigações agrícolas e florestais”.

A investigadora aconselha ainda a realização de um planeamento integrado de uso de solo e disponibilidade de água da chuva, dos rios e dos aquíferos.

Em situações mais prementes, Paula Quinteiro diz que “pode ser necessária uma realocação do cultivo para zonas com uma maior disponibilidade de água da chuva, atendendo também às condições do solo e características da vegetação em causa”.



Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
As comunidades portuguesas e o desenvolvimento de Portugal
Berta Nunes
secretária de Estado das Comunidades
O desastre consular e o deputado das comunidades
José Cesário
, Deputado do PSD por Fora da Europa
A ameaça das Redes Sociais e a tomada de consciência
José Caria
Diretor-adjunto da PORT.COM
DISCURSO DIRETO
Mensagem de Natal
Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República
PORTUGAL
O português que conquistou notoriedade na PGR do Brasil
Alcides Martins, PGR do Brasil
PORTUGAL
Sagres e Luso:Tradição e Modernidade
Nuno Pinto Magalhães
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ