ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Doentes oncológicos em tratamento vão ter linha de apoio no SNS24
Revista PORT.COM • 29-Nov-2019
Doentes oncológicos em tratamento vão ter linha de apoio no SNS24



Os doentes oncológicos em tratamento vão ter, ainda este ano, uma linha telefónica para onde ligar fora dos horários dos serviços de oncologia. Este é um projeto conjunto da Sociedade Portuguesa de Oncologia e do SNS24.

O anúncio foi feito durante o 16.º Congresso Nacional de Oncologia, que decorre até sábado no Centro de Congressos do Estoril.

Na apresentação desta linha, a diretora do serviço de oncologia médica do hospital de Santarém, Sandra Bento, destacou que a ideia inicial foi “dar acesso aos doentes a cuidados mais diferenciados fora dos horários dos serviços de oncologia”.

Explicando o contexto da criação deste serviço, Sandra Bento apresentou dados de um estudo feito na Austrália que indica que 86% dos doentes em tratamento têm efeitos secundários e sublinhou que Portugal é um dos países “com maior utilização desnecessária dos serviços de urgência” e que “42% das idas ao serviço de urgência não seriam necessárias”.

Em declarações à Lusa, o presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia explicou que este serviço servirá para colmatar o facto de as urgências hospitalares não disporem em permanência de especialidade de oncologia.

“Na parte dos hospitais não há oncologia em permanência no serviço de urgência, ou seja, fora da hora do serviço de oncologia os doentes oncológicos são avaliados muitas vezes por outra especialidade em contexto de urgência geral”, explicou Paulo Cortes.

O responsável acrescentou ainda que, com o crescente número de doentes com cancro e as potenciais toxicidades agudas associadas sobretudo a tratamentos com quimioterapia e imunoterapia, a parceria entre a SPO e o SNS24 acaba por complementar o apoio a estes doentes.

“Fizemos esta parceria estratégica em que o doente tem apoio 24 horas por dia, com algoritmos desenhados e posteriormente validados pela DGS”, explicou o especialista.

Paulo Cortes sublinhou ainda que este serviço “funciona como um apoio complementar”.

“Os doentes podem receber vários tipos de indicações, ou seja, podem fazer autocuidados, possíveis de resolver sem ir ao hospital, podem ser referenciados para cuidados diferidos no serviço de oncologia ou, se for uma situação muito aguda, o próprio serviço vai espoletar a chamada do INEM”, adiantou.


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
O Festival das Migrações, Culturas e Cidadania
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ