ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

O olhar de Portugal sobre a China e a crise do Coronavírus
Revista PORT.COM • 10-Fev-2020
O olhar de Portugal sobre a China e a crise do Coronavírus



Pedro Sobral, professor de língua portuguesa da Universidade de Estudos Estrangeiros Yuexiu de Zhejiang, escreveu recentemente um artigo, no «Diário do Povo Online», que aborda como Portugal reagiu à propagação do novo surto de gripe, o coronavírus, a mais recente crise de saúde pública, que obrigou a Organização Mundial de Saúde (OMS) a declarar (a 30 de janeiro) emergência de interesse internacional.

Observando, através da televisão e das redes sociais, o agravamento da situação e as dimensões que esta estava a tomar, os europeus gradualmente tomaram consciência de que seria apenas uma questão de tempo até que o coronavírus começasse a aparecer pela Europa, em virtude também do elevadíssimo número de cidadãos chineses que por cá viajam, estudam e trabalham.

A trabalhar como professor de Português na China (em Zhejiang, uma das províncias agora mais afetadas pelo coronavírus), Pedro Sobral regressou a Portugal no início de janeiro, por ocasião das férias de inverno.

Na altura, mesmo na China, a dimensão da ameaça não era ainda conhecida, apesar dos primeiros casos de coronavírus em Wuhan se terem verificado ainda em finais de dezembro do ano passado.

A situação geográfica periférica de Portugal, tão badalada entre nós como uma das causas endémicas do atraso nacional, servia de algum conforto ao português: a China fica longe e «pode ser que não chegue cá».

«As medidas, tardias, mas abrangentes e decisivas, levadas a cabo pelo governo chinês para conter o alastramento da epidemia, nomeadamente a quarentena imposta a Wuhan («uma cidade com mais gente que Portugal inteiro!», dizia-se com pasmo), pareceram tranquilizar também os portugueses», refere o autor deste “olhar” sobre a crise que se abateu sobre a China, e no mundo.

Causou também sensação, sendo imagem de encerramento de muitos telejornais, a «construção dos hospitais em 10 dias», coisa que, diziam os portugueses com espanto e admiração mal escondidos, «só mesmo na China».

«Mau grado o aparecimento de diversos casos de coronavírus (inclusive na vizinha Espanha), Portugal tem sido poupado, pelo menos até ao momento da escrita deste artigo».

Os casos de suspeita de contágio divulgados pelos media revelaram-se negativos e as imprescindíveis máscaras protetoras demoraram a esgotar nas farmácias e drogarias.

«Entre as autoridades de saúde portuguesas, parece imperar um clima de confiança no governo chinês e na sua capacidade de fazer frente a um evento desta magnitude» diz o professor.

«Sem descurar algumas medidas de prevenção e de preparação para eventuais casos, acredita-se em Portugal que a China é mais que capaz de fazer a triagem dos cidadãos que abandonam o país, de modo a minimizar a propagação do coronavírus».

No artigo, Pedro Sobral, refere que parece também ter existido um certo esforço, por parte dos órgãos de comunicação social, para «desconstruir boatos e demonstrar que a situação em Wuhan não é tão má como fazem parecer algumas notícias sensacionalistas» e filmagens potencialmente fabricadas.

O consenso entre os portugueses parece ser o de que a China tem a situação sob controlo e, mais do que qualquer outro país, possui os meios e a perseverança para «ultrapassar este momento negro».

«Provavelmente a consequência mais lamentável e perigosa para tempos vindouros é a onda de racismo e xenofobia que o alastramento do vírus pela Europa e pelos Estados Unidos tem trazido à superfície».

Reações e comentários potencialmente racistas dirigidos a chineses ou asiáticos em geral, que pelas suas características físicas são associados ao coronavírus, têm surgido um pouco por toda a Europa e deram inclusive origem (mais uma vez em França, que conta, até à data, com 6 casos confirmados) ao movimento #JeNeSuisPasUnVirus (eu não sou um vírus).

Portugal não tem estado imune a polémicas relacionadas com o coronavírus. No passado dia 4 de fevereiro, numa rubrica do programa “Café da Manhã” da estação de rádio RFM, uma personagem interpretada pelo humorista Luís Franco-Bastos teceu alguns comentários satíricos relacionados com os chineses e o coronavírus e que feriram as suscetibilidades da comunidade chinesa em Portugal, que exigiu um pedido de desculpas.

A mesma comunidade chinesa teme também possíveis prejuízos nos seus negócios em Portugal fruto de receios de contágio, chamando a atenção para casos de discriminação nas escolas, na linha dos que sucederam por conta da SARS em 2003.

Por fim, o autor louva o papel da Embaixada de Portugal na China e do governo Chinês no resgate e regresso a Portugal dos portugueses residentes em Wuhan, «uma operação que se traduziu num sucesso e demonstrou uma notável sinergia e coordenação entre os governos das duas partes», destaca.

Portugal e, principalmente, «os portugueses que, como eu próprio, possuem ligações profissionais e pessoais com a China acompanham os desenvolvimentos com um misto de angústia pelos crescentes custos humanos da epidemia, e de confiança em que a China será capaz de prevalecer perante esta e futuras provações», remata.

 

Fonte: Diário do Povo Online

 


Etiquetas
Partilhar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
OPINIÃO
A sua atitude de confiança conta: não só com o vírus...
Susana Cor de Rosa
Consultora empresarial
Os efeitos do medo do coronavírus...
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ