ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugueses rumam à Antártida para estudar poluição por mercúrio
Revista PORT.COM • 19-Jan-2017
Portugueses rumam à Antártida para estudar poluição por mercúrio



A campanha rumo à Antártida integra 122 elementos, dos quais 19 são cientistas portugueses.

Os cientistas portugueses que foram hoje para a Antártida no âmbito do programa Propolar, trabalham em sete projetos relacionados principalmente com aquecimento global e alterações climáticas, como a adaptação de espécies às mudanças, mas também com poluição causada pelo mercúrio.

Os projetos portugueses "são bastante conceituados internacionalmente, porque focam áreas muito interessantes da questão do aquecimento global e das alterações climáticas", disse Teresa Cabrita, diretora executiva do Programa Polar Português (Propolar) à Lusa.

Financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), o Propolar, que apoia projetos de investigação e a ciência polar portuguesa, tanto no Ártico, como na Antártida, organiza anualmente uma viagem de avião para transportar investigadores para o polo.

Entre os 122 investigadores, oriundos de instituições de vários pontos do país, alguns vão estudar o efeito do mercúrio nas respostas fisiológicas e nos genes das comunidades que constituem a base das cadeias alimentares marinhas, como o fitoplâncton, e o zooplâncton.

Os cientistas vão estar numa ilha, um cone vulcânico que está inundado e onde há "uma enorme disponibilidade de mercúrio decorrente da atividade do vulcão, sendo, portanto, uma fonte natural" e vão tentar identificar as alterações que permitiram a sobrevivência de espécies nestas condições, explicou Teresa Cabrita.

Em Portugal, existem vários ecossistemas com contaminação por mercúrio e este trabalho pode ajudar a compreender como são afetados, acrescentou.

Conhecer os ciclos de pedra ordenados, formações rochosas suscetíveis aos ciclos de congelação e de gelo, com grande potencial como indicadores das variações climáticas ao longo da História, ou saber mais sobre o retrocesso glaciário, desde o último máximo glaciário global até aos nossos dias, são outros dos projetos na área das alterações climáticas.

O que se passa nas regiões polares influencia todo o planeta em termos de alterações climáticas, e Portugal é um dos países mais afetados por estas mudanças, salientou Teresa Cabrita.

Por isso, recordou, é importante ter consciência da necessidade de proteger estas zonas polares, compreender o que se passa para antecipar e preparar para as alterações que possa ocorrer.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
O Festival das Migrações, Culturas e Cidadania
Daniel Bastos
Historiador
Novo Coronavírus provoca epidemia com desfecho imprevisível
Alfredo Martins
Internista e Coordenador do NEDResp
InPortugal 2020 Paris quer desenvolver nova rede de embaixadores
Ricardo Simões
Diretor do InPortugal
DISCURSO DIRETO
A Fundação ISS e o apoio na África Lusófona
Eulalia Devesa, Diretora da Fundação ISS Mais Um Sorriso
PORTUGAL
«Cada vez faz menos sentido falar de emigração»
José Cesário, Deputado do PSD
PORTUGAL
O Projeto de Mobilidade na CPLP
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios estrangeiros
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ