ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugal pode ser a ‘porta de entrada’ de gás americano na Europa
Revista PORT.COM • 05-Mai-2017
Portugal pode ser a ‘porta de entrada’ de gás americano na Europa



O primeiro carregamento de Gás Natural Liquefeito norte-americano chegou a Portugal em abril do ano passado.

Os Estados Unidos querem reforçar a cooperação com Portugal na área energética e acreditam que o país, através do porto de Sines, pode ser "uma porta de entrada" de Gás Natural Liquefeito norte-americano para a Europa e para a África.

"Com as novas tecnologias, que tornam mais baratos e mais rápidos de construir os terminais flutuantes de Gás Natural Liquefeito, os preços do transporte estão a descer e Portugal pode tornar-se uma porta de entrada para a Europa e para África, à medida que as exportações [de GNL norte-americano] aumentam exponencialmente nos próximos anos", declarou a encarregada de negócios norte-americana em Portugal, Herro Mustafa.

A responsável da embaixada dos Estados Unidos em Portugal falava ontem num almoço-debate da Câmara Americana de Comércio em Portugal sobre as opções e prioridades dos 100 primeiros dias da nova administração do Presidente Donald Trump. A colaboração com Portugal na área da energia, disse Mustafa, é uma delas.

"Temos em curso nos Estados Unidos uma revolução energética. Nos próximos anos seremos um dos maiores exportadores de gás do Mundo e estamos a explorar e a desenvolver novas oportunidades de cooperação [nesta área] em Portugal e na Europa", explicou a diplomata.

Herro Mustafa recordou que em abril do ano passado chegou a Portugal o primeiro carregamento de Gás Natural Liquefeito norte-americano, precisamente a Sines, um porto de águas profundas capaz de receber os maiores navios metaneiros que existem.

"Esse carregamento, apesar de não ter sido muito publicitado, marcou um potencial ponto de viragem para a segurança energética da Europa e para as opções energéticas regionais", considerou a encarregada de negócios, recordando também que, no mês passado, "uma grande delegação bipartidária do Congresso veio a Portugal só para ver a questão da segurança energética".

Herro Mustafa realçou que a nova administração "acredita que há muito potencial nessa área" e que, mesmo com o esforço global rumo às energias renováveis, "o Gás Natural continuará a ter um papel crucial no futuro".

"Precisamos de ambos e queremos trabalhar com Portugal nesta área. Isto é importante para a nova administração [de Donald Trump]", declarou.

Já em declarações aos jornalistas à margem do almoço, Herro Mustafa, reconheceu que existe um problema de falta de interligações energéticas entre Portugal e Espanha e, especialmente, com o resto da Europa, pelos Pirinéus.

"Tem de haver um foco nas interconexões [com França]. Não podemos ignorar [essa questão]", sublinhou a responsável, que preferiu enaltecer o facto de "geograficamente" Portugal ser "o país natural" para receber as exportações norte-americanas.

Herro Mustafa escusou-se a dizer se a diplomacia americana poderia vir a pressionar a França para reforçar o investimento em interligações de gás através dos Pirinéus [algo que o presidente da Comissão Europeia já anunciou que iria fazer], mas salientou que os Estados Unidos acolheriam de bom grado esse reforço.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Portugal hoje, um país que incentiva ao regresso
Paulo Pisco
Deputado do PS eleito pelos portugueses na Europa
De olhos postos em África com uma estratégia de futuro
Peter Dawson
Presidente do grupo Garland
Não há tempo para se perder tempo!
Vítor Ramalho
Secretário-Geral da UCCLA
DISCURSO DIRETO
O português que ajudou a 'erguer' as memórias do World Trade Center
Luís Mendes, arquiteto
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
«Mobilidade no espaço da lusofonia é um dos maiores desafios»
Teresa Ribeiro, SENEC
PORTUGAL
The last man on the moon
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ