ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Lisboa desce no ranking das cidades mais caras do mundo
Revista PORT.COM • 26-Jun-2017
Lisboa desce no ranking das cidades mais caras do mundo



Lisboa é a 137.ª cidade mais cara do mundo, descendo três posições face ao ano passado, segundo um estudo da Global Mercer sobre o custo de vida 2017.

Ao contrário do que se verificou o ano passado, a capital portuguesa desceu no ranking mundial, enquanto Zurique, a capital suíça, mantém-se como a cidade europeia mais cara, e também ela cai um lugar face ao ano passado.

O ranking das cidades mais caras do mundo é liderado por Luanda, seguida por Hong Kong, Tóquio, Zurique e Singapura.

África, Ásia e Europa são os continentes que "dominam na lista das localizações mais caras para emigrantes, são informações recolhidas do 23.º estudo Global Mercer sobre o custo de vida 2017.

O estudo compara ainda o preço de arrendamento de um T3, na capital portuguesa, que afirma custar cerca de 2.000 euros, com o arrendamento de uma habitação nas mesmas condições, em Luanda, que ronda os 12.000 euros.

Também em Londres uma ida ao cinema é três vezes mais cara do que em Lisboa e um café em Hong Kong pode ir até sete euros, de acordo com o estudo realizado em março, que tem como "medidas base" as taxas de câmbio em vigor nesse mês, bem como o conjunto de bens e serviços internacionais da Mercer.

"De acordo com o Estudo da Mercer - 2017 Global Talent Trends, salários justos e competitivos, bem como oportunidades de promoção estão no topo das prioridades dos colaboradores este ano - uma conclusão que decorre do atual clima de incerteza e de mudança", pode ler-se num comunicado divulgado pela Mercer.

O diretor da Mercer Portugal refere que, "apesar de historicamente a mobilidade, a gestão de talento e a compensação serem geridas de forma independente, as organizações estão a adotar atualmente uma abordagem mais holística para melhorarem as suas estratégias de mobilidade".

Diogo Alarcão acrescenta que "é importante garantir a competitividade da compensação em processos de expatriamento e, por isso, as políticas de mobilidade devem ser determinadas com base no custo de vida, na moeda e na localização".

A Mercer é responsável por desenvolver "estudos individuais referentes ao custo de vida e ao custo de arrendamento para cada uma das cidades analisadas", que no 23.º estudo anual revela "fatores como a instabilidade dos mercados imobiliários e a inflação de bens e serviços" como uma contribuição para o valor global das "expatriações no atual ambiente".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
As vivências da emigração portuguesa nos palcos do teatro
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ