ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

BES: Emigrantes mantêm protesto para hoje
Revista PORT.COM • 11-Ago-2017
BES: Emigrantes mantêm protesto para hoje



A associação que representa os emigrantes lesados do BES mantém a manifestação desta sexta-feira, mesmo após ter acordado com Novo Banco e Governo uma solução para parte dos associados, para reivindicar uma proposta para todos os que perderam dinheiro.

"Mantemos a manifestação [em Lisboa], vamos reivindicar uma solução para todos, temos dois produtos que ainda não têm solução", disse Helena Batista, vice-presidente da Associação Movimento Emigrantes Lesados Portugueses (AMELP), referindo-se ao facto de ainda não existir uma solução fechada para os clientes que investiram mais de 140 milhões de euros nos produtos EG Premium e Euro Aforro 10.

A associação que representa os emigrantes lesados pelo Banco Espírito Santo (BES) anunciou o acordo conseguido terça-feira com o Novo Banco e o Governo, que passa pela recuperação de 75% do dinheiro investido dos produtos Euro Aforro 8, Poupança Plus 1, Poupança Plus 5, Poupança Plus 6, Top Renda 4, Top Renda 5, Top Renda 6 e Top Renda 7.

Já para os clientes dos produtos Euro Aforro 10 e EG Premium, a AMELP explicou que o Novo Banco e o Governo deram a garantia de que também haverá uma solução, mas que está ainda a ser trabalhada.

Os emigrantes que aceitarem estas propostas terão de desistir das ações judiciais contra o Novo Banco e seus trabalhadores.

Segundo Helena Batista, a manifestação de hoje decorrerá "de forma pacífica" e será para reivindicar uma solução para os lesados que ainda não a têm fechada, uma vez que o objetivo da AMELP é que haja proposta para todos.

Inicialmente estava previsto o protesto ser também em São Bento, frente à residência oficial do primeiro-ministro, mas uma vez que o Governo se tem mostrado empenhado numa solução, já não acontecerá, explicou.

Após a resolução do BES, em 03 de agosto de 2014, cerca de 8.000 emigrantes de França e Suíça (o equivalente a 12 mil contas, uma vez que há clientes que têm mais do que uma conta) vieram reclamar mais de 720 milhões de euros, acusando o banco de lhes ter vendido produtos arriscados (ações de sociedades veículo), quando lhes tinha dito que se tratavam de depósitos a prazo para não residentes.

A responsabilidade sobre estes produtos ficou no Novo Banco - o banco de transição então criado -, que fez, em 2015, aos emigrantes (dos produtos Poupança Plus, Euro Aforro e Top Renda) uma proposta comercial, que teve a aceitação de cerca 80% do total, que detinham em conjunto 500 milhões de euros.

No entanto, houve 1.440 clientes que não aceitaram a solução, por considerarem que não se adequava ao seu perfil e não era justa, sobretudo por incorporar obrigações do Novo Banco com vencimento apenas daqui a 30 anos e sem cupão anual.

A solução agora encontrada para recuperação do investimento aplica-se aos 1.440 clientes que não aceitaram a proposta do Novo Banco de 2015.

Quanto aos mais de 6.000 clientes que aceitaram a proposta de há dois anos, fontes das negociações disseram à Lusa que o Novo Banco deverá trocar por capital as obrigações que tinham vencimento em 2049 e 2051, a ser colocado em depósitos a prazo, ainda que com perdas.

Ainda quanto à proposta do Novo Banco em 2015, então a entidade não apresentou qualquer proposta aos cerca de 1.800 clientes dos produtos EG Premium e Euro Aforro10, argumentando que tal não era possível devido à complexidade dos instrumentos financeiros abrangidos.

É para estes produtos que a AMELP disse hoje que obteve do Novo Banco e do Governo a garantia de que haverá solução, mas sem detalhes, nomeadamente quanto à percentagem de recuperação do investimento.

 

Foto em destaque ©Daniel Rocha


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
A Santa Casa da Misericórdia de Paris
Daniel Bastos
Historiador
Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades
José Cesário
Deputado
Ser português fora é ter Portugal dentro
Isabelle Coelho-Marques
Presidente da NYPALC
DISCURSO DIRETO
Portugal Maior
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
«Português é uma língua com valor universal»
Luís Faro Ramos, presidente do Instituto Camões
PORTUGAL
«A China está pronta para nos acolher»
José Augusto Duarte, Embaixador de Portugal na China
CHINA
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ