ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugal e China vão cooperar na área da energia e mobilidade sustentável
Revista PORT.COM • 04-Nov-2017
Portugal e China vão cooperar na área da energia e mobilidade sustentável



Portugal e China vão avançar com um grupo de trabalho para desenvolver uma cooperação na área da energia e mobilidade sustentável, disse o ministro da Ciência, Manuel Heitor.

A ideia passa por interligar dois projetos: o Centro Internacional de Investigação para o Atlântico, que Portugal quer ver rapidamente implementado e em funcionamento nos Açores, com uma ação também orientada para o estudo das alterações climáticas, e uma “nova rota da seda verde”, um projeto apresentado na quarta-feira pela China no decurso de um simpósio das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, dedicado a questões energéticas e à sua importância para atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável até 2030.

A sua intervenção pretendia, por um lado, “relatar o esforço de investigação de Portugal nomeadamente na área da integração de energias renováveis e da mobilidade elétrica” e, por outro, “passar a mensagem” da “necessidade de desenvolver e implementar nos próximos anos o Centro Internacional de Investigação para o Atlântico, baseado na cooperação norte-sul/sul-norte no Atlântico”.

O grupo de trabalho que vai ser criado vai juntar a elétrica nacional chinesa, China State Grid, a instituições portuguesas de investigação nas áreas das energias renováveis, como o INESC TEC, ou a mobilidade elétrica sustentável, como o CEiiA, ou ainda a REN — Rede Elétrica Nacional.

Sobre o projeto de uma nova rota da seda — uma rota comercial histórica que durante séculos ligou a Ásia ao Mediterrâneo através de vários interpostos comerciais — Heitor disse que o seu principal objetivo na sua nova versão “verde” é o de estabelecer “ligações energéticas que produzam mais energia, mas energia mais verde” que permitam evitar que até 2030 a temperatura do planeta aumente mais de dois graus.

“O que sabemos é que a utilização crescente de energias renováveis exige novo conhecimento, sobretudo na integração dessas energias, porque quando há sol e vento não é necessariamente quando as pessoas estão a usar a energia”, disse Heitor, destacando a necessidade de desenvolver melhores sistemas de armazenamento da energia produzida.

O ministro recordou que em 2016 Portugal foi notícia por bater o recorde mundial de maior número de dias consecutivos a consumir energia produzida exclusivamente com base em fontes renováveis, um facto que também justifica o convite a Portugal para este simpósio.

A sessão de abertura ficou a cargo do secretário-geral da ONU, António Guterres, que na sua intervenção destacou que “a energia é a ligação entre todos os objetivos de desenvolvimento sustentável” e que os sistemas modernos de energia “são essenciais para reduzir a pobreza e garantir segurança alimentar, saúde pública e uma educação de qualidade para todos”.

“Apesar desta evidência, o mundo está ainda longe de atingir o objetivo de desenvolvimento sustentável de energia limpa e acessível para todos”, disse Guterres, lembrando dados como o facto de ainda haver quase mil milhões de pessoas no mundo sem acesso à eletricidade: 500 milhões em África e 400 milhões na região Ásia-Pacífico.

António Guterres apelou a uma cooperação global no combate às alterações climáticas e ao desenvolvimento de tecnologias de energia limpa, lembrando a importância do Acordo de Paris para atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável até 2030, e do qual o presidente norte-americano em exercício, Donald Trump, retirou os EUA.

Ainda que a saída dos EUA do Acordo de Paris não tenha sido discutida no simpósio, Manuel Heitor disse não poder haver já qualquer dúvida do impacto das alterações climáticas.

“Os dados e a evidência que os chineses aqui trouxeram levantam suspeitas sobre como é que hoje ainda há alguém que possa dizer que não há uma evidência clara dos efeitos da mudança climática”, disse o ministro, recordando os recentes fogos em Portugal como exemplo.


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Aqui, Brasil
Francisco Serra
Cônsul honorário de Portugal em Pelotas, Brasil
Condições mais favoráveis ao exercício do direito de voto
José Vítor Soreto de Barros
Presidente da Comissão Nacional de Eleições
Brasília, El Dorado Luso
Jack Soifer
Consultor Internacional
DISCURSO DIRETO
Um zacatrás por Portugal
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
Há condições para viver em Arcos de Valdevez
João Esteves, presidente da CM de Arcos de Valdevez
PORTUGAL
A comunidade portuguesa e a Venezuela
Paulo Pisco
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ