ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

Portugueses formados em mandarim aproveitam 'era dourada' com China
Revista PORT.COM • 08-Jan-2018
Portugueses formados em mandarim aproveitam 'era dourada' com China



A primeira geração de tradutores e intérpretes portugueses de língua chinesa está a aproximar Portugal e China no futebol, literatura ou arte, à medida que as relações entre os dois países entram numa 'era dourada'.

Tiago Nabais ingressou na licenciatura de Tradução e Interpretação Português/Chinês - Chinês/Português do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) em 2007, depois de uma carreira musical "falhada" e "uns biscates aqui e ali". Tinha 29 anos.

Volvida uma década, concretizou um feito raro em Portugal: traduziu diretamente a partir do chinês uma obra literária - "Crónica de um vendedor de sangue", editado pela Relógio d'Água e escrito por um dos mais aclamados escritores chineses da atualidade, Yu Hua.

Também formado pelo IPL, Luís Lino agarrou aos 25 anos uma oportunidade "caída do céu" e rumou à China para servir de intérprete do técnico português André Villas-Boas, que na época passada orientou os chineses do Shanghai SIPG.

"Nem queria acreditar", contou Lino à agência Lusa sobre o convite para integrar o 'staff' de Villas-Boas.

No final de um treino em que esteve sempre ao lado do antigo treinador do FC Porto, o jovem revela que ainda pensou em tirar o curso de jornalismo após terminar o secundário, mas acabou por optar pelo estudo de uma língua "muito rentável".

O mandarim é a língua mais falada do mundo e o único idioma oficial da República Popular da China, país com 1.375 milhões de habitantes - cerca de 18% da população mundial - e a segunda maior economia do planeta.

Em colaboração com o Instituto Politécnico de Macau, o IPL abriu em 2006 a licenciatura de Tradução e Interpretação.

O Instituto Confúcio, organismo patrocinado por Pequim para assegurar o ensino de chinês, garante ainda cursos livres de mandarim em quatro universidades portuguesas - Aveiro, Coimbra, Lisboa e Minho.

E, desde 2016, o ensino do chinês foi também introduzido em algumas escolas portuguesas ao nível do secundário e do terceiro ciclo, como alternativa de língua estrangeira.

A primeira instituição de ensino superior em Portugal a oferecer uma licenciatura dedicada à língua chinesa, no entanto, foi a Universidade do Minho, com o curso em Estudos Orientais - Estudos Chineses e Japoneses, aberto em 2004.

Na altura, a China não era ainda "moda" em Portugal e os "estereótipos" sobre o país entre os portugueses eram "bastante acentuados", lembra Samuel Gomes, que ingressou naquela licenciatura em 2009.

"Existia ainda uma espécie de complexo em aprender mandarim", afirma o jovem portuense, que em 2016 foi distinguido com o prémio "Melhor Performance Artística" no Chinese Bridge, o maior concurso do mundo para alunos de língua chinesa.

O país asiático tornou-se, entretanto, um dos principais investidores em Portugal, comprando participações em grandes empresas das áreas da energia, seguros, saúde e banca, enquanto centenas de particulares chineses compraram casa em Portugal à boleia dos vistos 'gold'.

Jorge Torres-Pereira, que terminou em dezembro passado uma missão de mais de quatro anos à frente da Embaixada portuguesa em Pequim, considera mesmo que as relações entre os dois países atravessam uma "era dourada".

As visitas bilaterais de alto nível registaram, nos últimos anos, uma frequência inédita, enquanto o número de turistas chineses que visitaram Portugal quase duplicou, para 183 mil, entre 2013 e 2016.

Samuel Gomes não tem dúvidas: "Hoje, todos os portugueses falam da China".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Significado das próximas eleições para a Assembleia da República
Paulo Pisco
Deputado do PS
Incêndios rurais: prevenir é mesmo o melhor remédio
Miguel Freitas
Sec. de Estado das Florestas
Por um regresso seguro a casa
José Artur Neves
Sec. de Estado da Proteção Civil
DISCURSO DIRETO
A emigração portuguesa para a Holanda
Daniel Bastos, Historiador
PORTUGAL
Defesa de nova visão sobre as comunidades portuguesas
José Luís Carneiro
PORTUGAL
Um eterno e constante devir....
José Caria, diretor-adjunto da PORT.COM
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ