ÚLTIMAS
NOTÍCIAS

imagem
Revista PORT.COM • 09-Jan-2018
PCP/Madeira avança com projeto para resolução imediata dos problemas dos lesados do Banif



O PCP/Madeira entregou dois diplomas no parlamento regional - um voto de protesto e um projeto de resolução - que visam encontrar uma solução imediata para os problemas dos lesados do Banif, informou a deputada Sílvia Vasconcelos.

"O projeto de resolução propõe ao Governo Regional que, junto com o Governo da República e até metade do ano de 2018, possa definir compromissos resolutivos em tudo aquilo que são os problemas referentes ao Banif e sobretudo aos denominados lesados do Banif", explicou Sílvia Vasconcelos, em conferência de imprensa na Assembleia Legislativa da Madeira.

O voto de protesto, por outro lado, incide sobre o colapso da instituição bancária, que foi adquirida pelo Santander Totta em dezembro de 2015 por 150 milhões de euros, na sequência de uma resolução do Governo da República e do Banco de Portugal, através da qual foi criada a sociedade-veículo Oitante, para onde foi transferida a atividade bancária que o comprador não quis.

Neste processo há cerca de 3.500 obrigacionistas subordinados, na maioria madeirenses, muitos dos quais emigrantes, que perderam 263 milhões de euros. Além destes, há ainda a considerar 4.000 obrigacionistas Rentipar ('holding' através da qual as filhas do fundador do Banif, Horácio Roque, detinham a sua participação), que investiram 65 milhões de euros, e ainda 40 mil acionistas, dos quais cerca de 25 mil são também oriundos da Madeira.

Sílvia Vasconcelos recordou que a instituição estava "particularmente ligada" às atividades da Região Autónoma da Madeira e também ao Governo Regional, tendo o seu colapso culminado num "rasto de lesados e de prejuízos públicos".

Para o PCP, o processo do Banif traduz-se no "uso abusivo de dinheiro dos depósitos dos clientes", usado para "especulações financeiras" em benefício de "empresas amigas do regime".

"O resultado desta gestão caiu em cima dos portugueses, com consequências para o desenvolvimento regional, que atentou contra a economia nacional, mas também contra a economia regional", disse a deputada comunista, vincando que, na maioria, os lesados "perderam as poupanças de toda uma vida, porque confiaram no banco e este enganou-os, investido o seu dinheiro em produtos de risco".


Etiquetas
Partilhar

OPINIÃO
Pedro da Silva, o primeiro carteiro do Canadá
Daniel Bastos
Historiador
Momento inesquecível
Graciete Ferreira
Presidente da Master Builders na Austrália
As comunidades e a limpeza das matas
Paulo Pisco
Deputado do PS
DISCURSO DIRETO
“Acreditem no potencial que existe nas comunidades”
Isabelle Coelho-Marques
PORTUGAL
“Não foi por acaso que Portugal foi o melhor destino do mundo em 2017”
Pedro Machado
PORTUGAL
Democracia, populismo e abstencionismo
José Caria
PORTUGAL
REDES SOCIAIS
GALERIA DE FOTOS
QUIZ